Por que Guedes está “doido” para aumentar imposto de refrigerante, chocolate, sorvete…

24/01/2020

Compartilhar:
Por que Guedes...

O ministro Paulo Guedes durante painel no Fórum Econômico Mundial, em Davos: “imposto do pecado”, em estudo, foi descartado por Bolsonaro.  Foto: Walter Duerst/Fórum Econômico Mundial

O Ministério da Economia prepara mudanças na cobrança de impostos e faz simulações para verificar quais os resultados possíveis de arrecadação com a tributação de produtos que podem fazer mal à saúde.

O chamado “imposto do pecado” poderá vir em itens como cigarros, bebidas alcoólicas e alimentos processados com açúcar, disse o ministro Paulo Guedes a jornalistas durante o Fórum Econômico Mundial, em Davos.

Ele acredita que, quando chegar ao Brasil, já terá uma definição sobre o assunto. “Estou doido para elevar o imposto do açúcar. Pedi para simular tudo”, afirmou o ministro, que retorna nesta sexta (24).

A ideia, no entanto, mal levantou voo e já foi descartada pelo presidente Jair Bolsonaro em sua chegada à Índia. “Paulo Guedes, desculpa, você é meu ministro, te sigo 99%, mas aumento de imposto para cerveja não”, disse Bolsonaro nesta sexta ao desembarcar em Nova Délhi. “Não tem como aumentar, não consegue mais aumentar a carga tributaria no Brasil. Todo mundo consome algo de açúcar todo dia, não dá pra aumentar.”

Não se sabe até que ponto vai perdurar a determinação do presidente. Em setembro do ano passado, a discussão sobre a nova CPMF foi encerrada por Bolsonaro, em episódio que culminou na demissão de Marcos Cintra, secretário da Receita Federal. No entanto, em dezembro o próprio presidente disse que “todas as alternativas estão na mesa” quando o assunto é a volta de um imposto sobre transações financeiras.

Cigarro e álcool já pagam mais; açúcar seria novidade

Segundo relato do “Valor”, Paulo Guedes defendeu a inclusão de produtos como refrigerantes, sorvetes e chocolates na nova taxação. E esclareceu que o termo “imposto do pecado” é acadêmico (do inglês “sin tax”) e não tem juízo moral: “Não é nada de costumes, Deus me livre”.

A carga tributária sobre cigarro e álcool já é mais elevada que a de outros produtos. A “novidade”, para os brasileiros, está na inclusão de produtos com açúcar na lista dos que devem ser mais tributados por fazerem mal à saúde – algo que já ocorre em alguns países europeus.

Por aqui, o açúcar “puro” integra a cesta básica e por isso tem tributação reduzida. Os produtos industrializados que levam açúcar, no entanto, não têm tratamento diferenciado. É sobre eles que Guedes sugeriu atuar.

Para além da questão de saúde, de desincentivar o consumo de açúcar, está a arrecadação – o que, naturalmente, mais interessa ao ministro da Economia. Tal “sobretaxa” tem potencial significativamente a receita do governo, dada a enorme lista de produtos que levam o ingrediente em sua composição – e o elevado consumo desses produtos.

Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (Abia), 56% do consumo de açúcar no Brasil vem do que é adicionado no preparo final dos alimentos – em casa ou em locais como restaurantes e bares. O açúcar adicionado a alimentos industrializados, por sua vez, responde por 19% do consumo total, de acordo com estudos feitos com base na última Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF), do IBGE.

Mais impacto sobre os pobres

Há um debate no Ministério da Economia sobre se a elevação deve ser na mesma proporção de itens já taxados com alíquotas mais altas, como cigarro e bebidas, ou se deve receber tratamento diferenciado porque pode afetar diretamente os mais pobres, que usam mais a fonte de energia em sua cesta básica.

Quando houver uma definição, a proposta deve ser incluída em uma PEC do ex-deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR), que atualmente tramita no Senado. A ideia é propor alguma alteração em cima do IPI, mas não do açúcar como matéria-prima, apenas em produtos finais manufaturados.

“A guerra contra o açúcar já dura alguns anos na Europa, onde nove países passaram a cobrar impostos sobre refrigerantes. A média é de 0,064 euro por latinha da bebida. A mais alta taxa é a da Noruega. Na sequência, estão Reino Unido e Finlândia.

Há muito debate ainda sobre o assunto. O primeiro é se o valor a mais tem realmente algum impacto sobre a decisão do consumidor. O outro diz respeito ao lobby dos produtores da commodity. Em evento da Organização Internacional do Açúcar (OIA), que tem sede na capital britânica, foi difundido o argumento de que não há estudos que relacionem diretamente o consumo do produto a problemas de saúde.

No fim de 2018, a Associação Brasileira da Indústria de Alimentos anunciou um plano para a “redução voluntária” de açúcar em alimentos e bebidas. O projeto, em parceria com o Ministério da Saúde, busca reduzir o uso do ingrediente em 145 mil toneladas até 2022, com redução em 23 categorias de alimentos e bebidas compreendidas em cinco grupos (bebidas açucaradas; biscoitos; bolos prontos e misturas para bolo; achocolatados em pó; e produtos lácteos).

O que prevê a reforma tributária

A proposta de reforma tributária do Senado cria o chamado imposto seletivo, com alíquotas diferenciadas para bebidas alcoólicas e não alcoólicas, fumo, veículos, comunicações, energia elétrica, petróleo e gás natural.

Pelas regras atuais, cigarros e bebidas alcoólicas são taxados com PIS/Cofins e pelo Imposto Sobre Produtos Industrializados (IPI). Em 2019, a arrecadação do IPI-Fumo foi de R$ 5,4 bilhões e do IPI sobre bebidas, R$ 3 bilhões.

Guedes garantiu, no entanto, que não se trata de uma mudança que aumentará a carga como um todo. “A intenção é ter um programa de substituição tributária, não é para arrecadar mais nem menos”, disse. “Não posso baixar a arrecadação hoje, mas também não vou aumentar. Tudo está sendo feito para que haja mais base de incidência para que o governo possa diminuir alíquotas em alguns outros produtos.””
Fonte: Por Gazeta do Povo/Estadão Conteúdo

Compartilhar:
Categorias: Brasil e Mundo
Tags:

Notícias Relacionadas

Campanha de Vacinação contra a gripe será antecipada

As 75 milhões de doses começarão a ser aplicadas a partir de março. A medida é uma forma de auxiliar os […]

28/02/2020

Projeto limita cobrança de juros de cheque especial

Nesta quinta-feira (27), o Banco Central divulgou a queda de 82 pontos percentuais na taxa de juros do cheque especial. […]

28/02/2020

Tambaqui de Rondônia desembarca em SP

O Festival do Tambaqui da Amazônia, realizado em Brasília no ano passado com um grande churrasco para degustação, fez tanto […]

28/02/2020

Em live, Bolsonaro pede serenidade e afirma que respeita os Poderes

Ele refutou informações, veiculadas nos últimos dias, pela imprensa, de que estaria apoiando atos previstos para o próximo dia 15 […]

27/02/2020