Anúncio
Anúncio
Anúncio

Será o fim das aulas obrigatórias para a CNH A e B ?

29/01/2020

Compartilhar:

Senado pode aprovar fim das aulas obrigatórias para as categorias A e B

Será o fim das...

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) deve analisar neste ano projeto de lei que acaba com a obrigatoriedade de aulas teóricas e práticas para prestar os exames da carteira de motorista. O PL 6.485/2019, da senadora Kátia Abreu (PDT-TO), ainda aguarda relatório na comissão.

A proposta afetaria apenas as categorias A e B da Carteira Nacional de Habilitação (CNH), correspondentes e motos e carros de passeio. Com o fim das aulas obrigatórias, a senadora espera tornar a CNH mais acessível, especialmente para a população mais pobre.

“Na maioria dos estados, o valor total para obtenção da CNH pode chegar a R$ 3 mil. Na composição de custos, o principal fator é a obrigatoriedade de se frequentar aulas em autoescolas, que equivale a cerca de 80% do dispêndio total”, escreve Kátia Abreu em sua justificativa para o projeto.

Outra medida do projeto para facilitar o acesso à carteira é o uso de parte do dinheiro arrecadado com multas de trânsito para financiar a obtenção da habilitação. Cidadãos em busca da primeira CNH nas categorias A e B ou pleiteando uma mudança de categoria com objetivos profissionais poderiam ser beneficiados.

As provas teóricas e práticas continuariam sendo exigências. Se o projeto vingar, a preparação para elas poderá ser feita individualmente ou com a ajuda de instrutores independentes, uma atividade que passaria a ser autorizada. Esses instrutores precisariam se credenciar junto ao Detran do seu estado, ser maiores de 25 anos e possuir pelo menos três anos de habilitação na categoria que ensinam.

O projeto também determina que os Departamentos de Trânsito (Detran) estaduais criem normas para tornar os exames mais rigorosos.

“Não podemos desconsiderar a realidade que a expertise de direção veicular pode ser adquirida empiricamente pela prática e pela observação, muitas vezes obtidas no próprio núcleo familiar”, destaca Kátia Abreu.

Se o projeto for aprovado pela CCJ, ele poderá seguir diretamente para a Câmara dos Deputados. Ele só será analisado pelo Plenário do Senado se houver requerimento para que isso aconteça, assinado por pelo menos nove senadores.
Fonte: Agência Senado

Compartilhar:
Categorias: Brasil e Mundo

Notícias Relacionadas

21.523 casos de Covid-19 foram registrados em Rondônia

O Governo de Rondônia, por meio da Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa) e a Secretaria de Estado da […]

01/07/2020

Cacoal chega a 305 casos confirmados de Covid-19

No boletim divulgado nesta quarta-feira, 1° de julho, a Prefeitura Municipal confirmou 305 casos de covid-19 em Cacoal. Deste total, […]

01/07/2020

Sine: Surgem novas vagas de emprego em Cacoal

O Sine, Serviço Nacional de Emprego, anunciou nesta quarta-feira, 1º de julho, novas vagas de emprego para Cacoal. Após um […]

01/07/2020

Militares se mobilizam para proteger indígenas de covid-19 na Amazônia

Equipes levaram alimentos e remédios a comunidades isoladas (Por Leonardo Benassatto e Adriano Machado – Repórteres da Reuters – Boa […]

01/07/2020