Toffoli suspende redução de até 85,4% no valor do Dpvat para 2020

01/01/2020

Compartilhar:

Novo valor passaria a vigorar a partir de 1º de janeiro

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, suspendeu hoje (31) a redução dos valores a serem pagos na contratação do seguro obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (Dpvat), que passaria a a vigorar a partir de 1º de janeiro.

Após proposta da Superintendência de Seguros Privados (Susep), o Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP) aprovou na semana passada uma redução de 67,7% e de 85,4% no valor do DPVAT de 2020 para carros e motos, respectivamente.

No caso dos carros, o novo valor a ser pago seria de R$ 5,23, enquanto os proprietários de motos passariam a pagar R$ 12,30. A redução drástica dos valores também se observava nas demais categorias: o preço para ônibus com frete seria de R$ 10,57; para ônibus sem frete, de R$ 8,11, e para caminhões, R$ 5,78.

A Seguradora Líder, única administradora do Dpvat, reclamou no Supremo que a medida seria uma maneira de burlar decisão do próprio tribunal, que neste mês suspendeu a medida provisória (MP 904/2019) que havia extinguido o seguro. Isso porque os valores estabelecidos seriam “irrisórios” e insuficientes para manter os serviços prestados.

Toffoli concordou com os argumentos, destacando que, a seu ver, a única motivação para o CNSP e a Susep promoverem a redução nos valores foi a decisão do Supremo, pois caso contrário não haveria razão para o ato, uma vez que não fosse a atuação do tribunal o Dpvat não mais existiria a partir de 1º de janeiro.

O ministro escreveu que a alteração do ato normativo referente ao Dpvat por parte do Conselho Nacional de Seguros Privados configura “subterfúgio da administração para se furtar ao cumprimento da eficácia da decisão cautelar proferida pelo Plenário do STF na ADI nº 6.262/DF”, na qual foi suspensa a extinção do seguro.

“Por essas razões, entendo que a Resolução CNSP nº 378/2019 esvazia a providência cautelar deferida por essa Suprema Corte nos autos da ADI nº 6.262/DF, razão pela qual compreendo ser o caso de sua suspensão”, concluiu Toffoli.

O presidente do STF determinou a notificação da Procuradoria-Geral da República (PGR) e da Advocacia-Geral da República sobre a suspensão da redução dos valores do Dpvat.

Neste mês, o advogado-geral da União, André Mendonça, disse que não pretendia recorrer da liminar do Supremo que impediu a extinção do Dpvat, levando em consideração que a decisão foi tomada de forma unânime pelo plenário da Corte.
Fonte: Por Felipe Pontes – Repórter da Agência Brasil – Brasília

Compartilhar:
Categorias: Brasil e Mundo

Notícias Relacionadas

Iniciam rematrículas do “Programa Pensando no Amanhã” em Cacoal

A prefeitura através da Autarquia Municipal de Esportes de Cacoal – AMEC iniciou nesta segunda-feira (17), as matrículas e rematrículas […]

17/02/2020

Concurso da Câmara de Ji-Paraná tem salários de até R$ 5.419, 34

A Câmara Municipal de Ji-Paraná (CMJP) divulgou edital de concurso público para preenchimento de cargos com níveis de escolaridade fundamental, […]

17/02/2020

Governo de Rondônia cria cinco novos colégios militares

Na manhã da segunda-feira (17), o governador de Rondônia, coronel Marcos Rocha, assinou os decretos de criação de cinco unidades do […]

17/02/2020

Projeto da Idaron oferece formação básica em Educação Sanitária aos alunos do Abaitará

Aproximadamente 60 alunos de duas turmas do ensino médio do Centro Técnico Estadual de Educação Rural Abaitará vão participar neste […]

17/02/2020