Toffoli suspende redução de até 85,4% no valor do Dpvat para 2020

01/01/2020

Compartilhar:

Novo valor passaria a vigorar a partir de 1º de janeiro

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, suspendeu hoje (31) a redução dos valores a serem pagos na contratação do seguro obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (Dpvat), que passaria a a vigorar a partir de 1º de janeiro.

Após proposta da Superintendência de Seguros Privados (Susep), o Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP) aprovou na semana passada uma redução de 67,7% e de 85,4% no valor do DPVAT de 2020 para carros e motos, respectivamente.

No caso dos carros, o novo valor a ser pago seria de R$ 5,23, enquanto os proprietários de motos passariam a pagar R$ 12,30. A redução drástica dos valores também se observava nas demais categorias: o preço para ônibus com frete seria de R$ 10,57; para ônibus sem frete, de R$ 8,11, e para caminhões, R$ 5,78.

A Seguradora Líder, única administradora do Dpvat, reclamou no Supremo que a medida seria uma maneira de burlar decisão do próprio tribunal, que neste mês suspendeu a medida provisória (MP 904/2019) que havia extinguido o seguro. Isso porque os valores estabelecidos seriam “irrisórios” e insuficientes para manter os serviços prestados.

Toffoli concordou com os argumentos, destacando que, a seu ver, a única motivação para o CNSP e a Susep promoverem a redução nos valores foi a decisão do Supremo, pois caso contrário não haveria razão para o ato, uma vez que não fosse a atuação do tribunal o Dpvat não mais existiria a partir de 1º de janeiro.

O ministro escreveu que a alteração do ato normativo referente ao Dpvat por parte do Conselho Nacional de Seguros Privados configura “subterfúgio da administração para se furtar ao cumprimento da eficácia da decisão cautelar proferida pelo Plenário do STF na ADI nº 6.262/DF”, na qual foi suspensa a extinção do seguro.

“Por essas razões, entendo que a Resolução CNSP nº 378/2019 esvazia a providência cautelar deferida por essa Suprema Corte nos autos da ADI nº 6.262/DF, razão pela qual compreendo ser o caso de sua suspensão”, concluiu Toffoli.

O presidente do STF determinou a notificação da Procuradoria-Geral da República (PGR) e da Advocacia-Geral da República sobre a suspensão da redução dos valores do Dpvat.

Neste mês, o advogado-geral da União, André Mendonça, disse que não pretendia recorrer da liminar do Supremo que impediu a extinção do Dpvat, levando em consideração que a decisão foi tomada de forma unânime pelo plenário da Corte.
Fonte: Por Felipe Pontes – Repórter da Agência Brasil – Brasília

Compartilhar:
Categorias: Brasil e Mundo

Notícias Relacionadas

Polícia fecha loja da Havan por descumprir decreto de quarentena em SC

A Polícia Militar fechou, neste sábado (4/3), a loja Havan de Porto Belo, no Litoral Norte de Santa Catarina, por […]

05/04/2020

Três novos casos confirmados para Covid-19 e Rondônia registra o total de 14 casos da doença

O Estado de Rondônia registra 14 casos confirmados da Covid-19. O Laboratório Central de Saúde Pública do Estado (Lacen) analisou […]

05/04/2020

Havan abre em Cacoal e revolta comerciantes locais que cumprem decretos do Governo

Apesar da maioria dos comerciantes estarem cumprindo a risca os decretos publicados pelo Governo de Rondônia, decretando estado de Calamidade […]

05/04/2020

Brasil registra 11.130 casos de covid-19 e 486 mortes

O Ministério da Saúde divulgou, na tarde de hoje (05), os números atualizados do novo coronavírus. De acordo com a pasta, o […]

05/04/2020