Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio

Delegado da PF fortalece fama de durão ao colocar 4 prefeitos de RO na cadeia

25/09/2020

Compartilhar:
10418371455839527893899975810543167436749n
Delegado da PF Flori Cordeiro de Miranda Júnior

Ainda jovem (41 anos, 11 deles na corporação), o delegado da Polícia Federal Flori Cordeiro de Miranda Júnior, que já tinha fama de “destruidor de esquemas de corrupção em Rondônia”, confirmou isso na manhã desta sexta-feira, 25, ao comandar ações que resultaram na prisão de quatro prefeitos no Estado. Ele lidera a DPF de Ji-Paraná, responsável por várias cidades da região central de Rondônia.

“Agente de campo”, lida sem embaraço com a papelada, mas gosta mesmo é de ação: vez ou outra, ele publica nas redes sociais imagens com fuzil em punho, liderando policiais em garimpos e em reservas indígenas. Aliás, é querido por várias etnias e mantém contato frequente com muitas lideranças do “povo da floresta”. Uma das fotos mais curtidas em sua página no Facebook mostra o delegado oferecendo carona a crianças Cinta Larga num helicóptero.

Simpático e sociável, do tipo que frequenta festas, mas costuma prender traficantes de drogas sintéticas que abastecem os eventos, Flori, esportista radical que gosta de paraquedismo, anos atrás marcou época em Vilhena, onde prendeu prefeito, Vice e quase toda a Câmara de Vereadores, mergulhados em um festival de ilegalidades.

Avesso a entrevistas, não fala sobre casos em andamento, mas é conhecido entre os agentes da PF sob seu comando, por dormir tarde e pular cedo da cama. Em véspera de grandes operações, nem dorme.

Graças ao seu desempenho no combate à criminalidade (que inclui tráfico de drogas, garimpos ilegais, exploração de madeiras e outros) em Rondônia, foi promovido e enviado para Sorocaba, no interior de São Paulo. Aguentou pouco a vida no ar condicionado e pediu para voltar às selvas amazônicas.

Apesar do risco de vida frequente que corre, costuma andar sozinho. Ao conversar com os mais próximos, gosta de lembrar velhas anedotas da política de sua cidade natal, Capão Bonito, em São Paulo.

Para azar de políticos e empresários de Rondônia que vivem metidos em esquemas que desviam milhões em recursos públicos, o delegado não dá sinais de que pretenda deixar a Amazônia.

Fonte: Folha do Sul

Img 20200925 Wa0070
Img 20200925 Wa0053
Img 20200925 Wa0098
Compartilhar:

Notícias Relacionadas

Afogamento: Mais um jovem morre afogado enquanto banhava com amigos no Rio Urupá

As mortes por afogamento este ano, tem superado os limites de todos os outros anos. Já foram muitas vidas perdidas […]

25/10/2020

Adoção e abandono de animais domésticos aumentaram

Ter, em casa, a companhia de um animal doméstico pode representar, para muitos, uma forma de espantar a solidão que […]

25/10/2020

Vasques avança o diálogo com a população e intensifica reuniões em bairros de Cacoal

O candidato a prefeito, Marco Aurélio Vasques (DEM), na primeira semana de campanha recebeu inúmeros apoios e intensificou sua agenda […]

25/10/2020

70.350 rondonienses contraíram Covid-19

O Governo de Rondônia, por meio da Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa) e a Secretaria de Estado da […]

25/10/2020