Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio

PAPUDISKINA – Prefeitura no Beira Rio não seria uma boa ideia

13/02/2021

Compartilhar:
Papuzzzz

Há alguns dias está circulando nas redes sociais informações sobre uma possível mudança da sede administrativa da Prefeitura Municipal de Cacoal para o complexo recreativo Beira Rio, situado na saída para o Município de Rolim de Moura. Obviamente há algumas pessoas e até autoridades que aprovam a ideia e outras que não. Em minha opinião, há mais razões para desaconselhar tal mudança do que o contrário. Obviamente as colocações que farei aqui apenas representam um ponto de vista pessoal, de modo que, cada leitor é convidado a acompanhar as razões que apresento para não aprovar essa mudança e após a leitura, comparar meu ponto de vista com o seu próprio ponto de vista.

ÀS autoridades, como prefeito, vereadores e deputados – ou ex-deputados – faço a ressalva de que, em caso de os citar de forma explícita ou implícita, farei isso apenas em razão do próprio contexto, mas nunca com o objetivo de desrespeitá-las ou ofendê-las, visto que, como cidadão, sou apenas mais um entre os quase 100 mil moradores a quem esse ente federativo chamado Cacoal presta serviços.

Sem mais delongas, iniciemos nossas observações sobre o tema. Vou explicar as razões por que sou contra tal mudança. Em princípio, entendo que é sempre recomendável que a sede administrativa de um município seja o mais centralizado possível, de modo a equilibrar distâncias. Obviamente, com o prédio da prefeitura mais centralizado, ninguém teria de atravessar toda a cidade para aceder aos serviços administrativos da prefeitura.

Minha maior discordância, contudo, nem tem muito a ver com distância, pois a maioria absoluta das pessoas, para irem até a prefeitura, utilizam-se de serviços próprios ou terceirizados de condução motorizada. Ou seja: as pessoas vão de automóvel (carro ou motos). Boa parte com veículos próprios em razão de a nossa cidade estar totalmente desprovida de serviço de transporte público de qualidade.

Outra razão que me faz discordar da mudança da sede administrativa é o desvio de finalidade. A obra, que custou milhões de reais, teve um fim específico de oferecer à população um espaço alternativo para o lazer. O local, pelo que entendemos, também pode ser utilizado para eventos culturais ou sazonais, como feiras de livros, concursos de música ou atividades literárias, etc. Levar para lá o prédio da prefeitura seria um desrespeito e desvio de finalidade. Além disso, o local não é adequado para receber as atividades da prefeitura sem que se gaste ali outros milhões de reais. Seria como alguém que tenha uma casa de vários milhões de reais a destrua por completo para construir uma outra igualmente cara. Um desperdício.

No caso de uma personalidade jurídica ou física, cada um é dono do seu dinheiro e gasta-o como quer, desde que tenha condições para tal. Já no caso de uma prefeitura, a situação é diferente. O prefeito, os vereadores, deputados e demais autoridades com cargos eletivos ou nomeadas, precisam prestar contas de seus atos. Elas não administram seus próprios bens, mas tem contas a prestar aos milhares de cidadãos que lhes outorgaram um mandato cíclico.

Eu acredito que o nosso prefeito, Adailton Fúria, e os vereadores – que são as autoridades com maior poder de decisão em questões relacionadas ao município, não irão tomar uma decisão de maneira precipitada. Vão avaliar não apenas uma avaliação subjetiva da opinião pública sobre o tema, mas também avaliar os princípios gerais da administração pública. Todo o recurso público precisa ser bem aplicado, de modo a evitar desperdícios e prejuízos ao erário público. Tentar ajustar esse complexo que citamos aqui às necessidades administrativas do Poder Executivo – salvo melhor juízo – está em desacordo com esses princípios.

Esse complexo, em minha opinião, nem deveria existir. Sua utilidade pública é questionável se avaliarmos a questão de prioridades. Mas já que a construíram, que ela seja ajustada para ser um espaço de lazer, cultura e entretenimento. Melhor ajustar o local para que a população possa ter acesso a eventos musicais, literários etc., mas esqueçamos essa ideia de transformar o local na nova sede da prefeitura. Não combina.

Compartilhar:
Categorias: Colunistas

Notícias Relacionadas

Coluna do Xavier - Cacoal: O Exorcista, as Doras e os Josués... (26.02.2021)

Os primeiros dias de nossos vereadores novatos foram, sem dúvida, uma prova de fogo para eles, especialmente para os que […]

26/02/2021

Coluna Tribuna em Foco - Por Giliane Perin (26.02.2021)

Nesta semana em Cacoal, os oficiais da Polícia Militar do Estado de Rondônia, Major PM Antônio Rodrigues de Matos e […]

26/02/2021

Coluna Boca Maldita - Turismo no Planalto (26.02.2021)

DUELO NO PLENÁRIO Na sessão ordinária da última segunda-feira, o vereador Valdomiro Corá e o advogado Tony Pablo protagonizaram um […]

26/02/2021

Coluna Papudiskina - Alexandre de Moraes parece querer restringir liberdade de expressão (26.02.2021)

A fala do ministro Alexandre de Moraes, levada a público pela Rede Globo no Jornal Nacional, no início desta semana, […]

26/02/2021