Anuncie aqui
Anuncie aqui

Boca Maldita de 21 de fevereiro de 2020

ELEIÇÕES EM CACOAL. Como as eleições municipais se aproximam, é natural que cabos eleitorais e aliados de todos os eventuais candidatos comecem a manifestar opiniões mais acirradas. Dia desses, em um grupo de conversas, um cidadão declarou que não queria votar em Marco Aurélio Vasques, porque Vasques tinha assumido o cargo de secretário de saúde no município de Vilhena. O mesmo cidadão declarou que gosta mais do nome da atual prefeita Glaucione Rodrigues. Se os eleitores forem adotar como critério essa condição, realmente vai ficar difícil, porque todo mundo sabe que Glaucione foi secretária-adjunto da saúde no município de Ariquemes. Vale lembrar que o trabalho desenvolvido pelo Dr. Vasques em Vilhena é merecedor de muitos elogios, porque produz efeitos muito positivos. Não faz sentido chamar de forasteira uma pessoa apenas porque ocupou um cargo em outra cidade. Se uma pessoa de Cacoal assume cargos em outros municípios, isto não é motivo para ser considerada inimiga. Isso não deve ser critério e sim, pode redundar em critério positivo, afinal, se tivesse sido um secretario ruim, não tinha sido chamado para trabalhar em outro município. Que absurdo!!!

REDES SOCIAIS. As redes sociais vão causar muita tensão nas eleições municipais deste ano. Certamente, vai ser a primeira vez que os eleitores participarão mais ativamente de campanhas municipais, porque as informações serão transmitidas com muito mais rapidez. Neste caso, os vereadores que ocupam mandatos atualmente em Cacoal terão que voltar a usar as redes sociais. Desde que foram eleitos, praticamente todos eles sumiram das redes sociais e sempre que alguém os adiciona em grupos de conversas, eles saem rapidamente. Entretanto, agora vem o período em que os políticos fazem de tudo para ficar em contato com os eleitores. Então, eles vão querer entrar em todos os grupos e vão dizer que defendem a população. Para fazer justiça, o único vereador de Cacoal que nunca saiu de nenhum grupo é o vereador Mário Moreira. Jabá Moreira não foge das polêmicas e dá opinião em todos os grupos, mesmo quando recebe críticas de pessoas da cidade. Todas as pessoas que usam as redes de whattsapp sabem que ele nunca fugiu das discussões. Os demais terão que explicar por que ficaram tanto tempo sumidos.

M DANÇA DOS PARTIDOS. Com as novas regras eleitorais, vigentes em 2020, haverá uma grande movimentação de vereadores em Cacoal, buscando partidos que possam garantir suas chances de reeleição. Mais da metade dos vereadores não terão muitas chances, caso continuem filiados às siglas onde estão atualmente. A verdade é que os vereadores não cuidam dos partidos, não organizam a militância, não trabalham para manter os partidos e, quando chega o período eleitoral, eles estão sozinhos nos partidos. Existem casos em que o único candidato que partido tem em Cacoal é o vereador. Antes não havia problema, porque eles faziam coligações e se juntavam. Agora, o partido precisa ter todos os nomes. Claro que até o período das convenções diversas siglas vão buscar nomes para compor suas listas, mas existem os casos de pessoas que irão mudar de partido. No caso de quem mudar de partido, o prazo é até 04 de abril, porque o candidato precisa estar filiado até seis meses antes da data da eleição. Outro problema grande que muitas siglas terão é para preencher os percentuais femininos. Se a lista dos partidos não tiver pelo menos 30% de mulheres, o partido não pode participar da eleição. O mesmo percentual vale para os homens, em caso de lista com maioria de mulheres.

ESCOLAS MILITARIZADAS. No começo desta semana, os deputados Elcirone Deiró e Adailton Fúria comemoraram a decisão do governador Marcos Rocha de militarizar a escola Aurélio Buarque de Holanda, em Cacoal. Embora muitos professores e especialistas em educação sejam contrários à militarização de escolas, os dois deputados se aliaram ao governo e aprovaram a idéia. Professores e especialistas também alegam que já existem em Rondônia diversas escolas que foram militarizadas, mas não há informações de que esse modelo de educação tenha resultados positivos ou negativos e que em Rondônia, nenhuma escola militarizada apresentou desempenho melhor que outras e se os custos são mais em conta ou não.

CONFLITO À VISTA. A maneira como a SEDUC vem agindo, em relação aos professores estaduais vai acabar gerando uma greve nos próximos dias. Esta semana, cerca de dez professores da escola Tiradentes, em Porto Velho foram colocados à disposição da secretaria de educação, porque decidiram participar de uma assembleia de servidores convocada pelo Sindicato dos Trabalhadores da Educação de Rondônia – SINTERO. A Constituição Federal de 1988 dá aos servidores públicos e empregados de empresas privadas o direito de participar de reuniões de sindicatos ou associações das categorias profissionais. A decisão do diretor da escola Tiradentes é temerária, porque pode ferir diversos dispositivos da Constituição Federal. Após o acontecimento, dezenas de professores em todos os municípios passaram a cobrar do Sintero uma postura mais dura em relação ao governo. Tudo indica que uma greve pode acontecer em poucos dias nas escolas estaduais. Se isto acontecer, será por pura falta de habilidade do secretário de educação de Rondônia. E se não acontecer, o Sintero já não é mais o mesmo.

PROJETO DOS UNIFORMES. No começo dos trabalhos da Câmara Municipal de Cacoal, a prefeita Glaucione Rodrigues enviou documento para o legislativo pedindo a retirada do projeto que tinha como finalidade comprar uniformes para todos os alunos matriculados nas escolas municipais. Nos bastidores, circula a informação de que a decisão da prefeita está baseada no fato de que as autoridades eleitorais podem considerar o projeto como uma iniciativa eleitoreira, fato que poderia criar dor de cabeça para o projeto de reeleição da prefeita. Ao pedir a retirada do projeto, a prefeita passou a impressão de que admite que as críticas feitas por seus opositores eram corretas. Se o projeto tinha como finalidade apenas beneficiar alunos, por que a decisão de recuar? Como dizem alguns, todo cuidado é pouco em ano de eleição.

M PROMESSAS ELEITORAIS. Dia desses, um grupo de amigos discutiam sobre política e sobre a atuação dos atuais vereadores de Cacoal. Na ocasião, uma das pessoas lembrou que os vereadores sempre que sobem à tribuna da Casa de Leis, prometem milhões de reais em emendas e compras de máquinas e equipamentos. Muitas pessoas não lembram, mas o vereador Rogerinho Chagas prometeu, cerca de um ano e meio atrás, que arrumaria uma emenda para construir uma capela no cemitério municipal. Segundo ele, tudo seria resolvido em curto espaço de tempo. Até hoje, nenhuma capela foi construída e talvez nem ele consiga lembrar mais da promessa que fez. Depois disso, ele prometeu que tinha arrumado outra emenda para asfaltar três ruas do bairro Vista Alegre, mas até o fechamento desta edição não tinha acontecido o asfalto. Esta semana, o mesmo vereador subiu à tribuna e prometeu uma patrol. Como este ano tem eleição, as promessas certamente serão muitas…

POLÊMICA NO FUTEBOL. O vereador Paulinho do Cinema fez duras críticas aos dirigentes do clube da cidade, União Cacoalense, e sobre os critérios utilizados pelos dirigentes para a contratação de atletas. O vereador lembrou que pelo menos sete ou oito jogadores do time de Pimenta Bueno que disputa o Campeonato Rondoniense são atletas de Cacoal; enquanto na equipe de Cacoal não tem jogadores da Capital do Café. O vereador citou, ainda, que vários jogadores do time de Pimenta Bueno possuem mais de 40 anos de idade e, mesmo assim, tiveram desempenho muito acima dos atletas novos da equipe do União Cacoalense. No último final de semana, houve uma confusão envolvendo um dos dirigentes do clube com atletas, durante o jogo em que a equipe de Cacoal enfrentou o Clube Atlético Pimentense, no estádio Cassolão, em Rolim de Moura. Briga em casa é sinal de que as coisas não estão boas. Mas a respeito do vereador, bem que ele como desportista poderia ter ajudado e apoiado antes para que Cacoal resolvesse o problema de seu time com gente da terrinha. Como não teve ninguém demonstrando apoio, restou no que deu.

CARROS DE LUXO. O vereador Valdomiro Corá deu claras demonstrações de que não está contente com os dois deputados de Cacoal que ocupam cadeiras na Assembleia Legislativa. Corazinho fez duras críticas aos dois deputados e citou números alarmantes sobre gastos que envolvem os representantes de Cacoal. Segundo o vereador, cada deputado gastou, em 2019, mais de 150 mil reais com aluguel de veículos, sem que haja nenhuma necessidade. Corazinho lembrou que a Assembleia possui veículos e que os deputados possuem seus próprios veículos, não sendo justo que eles aluguem carros para andar. Uma conta simples indica que, ao final do mandato, cada deputado terá utilizado cerca de 640 mil reais com aluguel do carro que eles usam para se locomover. Realmente são números que precisam ser analisados, porque os recursos poderiam ser utilizados em obras a favor dos cacoalenses. Talvez ficasse muito mais barato, se a Assembleia Legislativa comprasse uma caminhonete para cada deputado, porque seria um valor bem menor do que 640 cada veículo.

MOTO APLICATIVO. A câmara de vereadores colocará em pauta, nos próximos dias, um projeto que deve criar um certo grau de polêmica. O conteúdo do projeto está relacionado com o transporte de passageiros por aplicativo em motocicletas. Os trabalhadores que usam o aplicativo alegam que precisam do direito ao trabalho. Os mototaxistas de Cacoal, que já estão na praça há muitos anos, alegam que o aumento do número de motos pode criar dificuldades para quem já está no mercado. Vale lembrar que existem cerca de 65 motos já credenciadas pela prefeitura e que estão circulando há muitos anos. Assim, é necessário esclarecer que existe a necessidade de ampliar o atendimento, porque atualmente Cacoal tem mais de cem mil habitantes e o número de bairros é muito maior do que esses anos atrás. Neste caso, certamente deve haver uma discussão para que haja uma decisão justa para todos.

O JEAN WALDERRAMAS que trabalha com muita vontade, competência e profissionalismo na Equipauto Escapamentos, do Silvio De Barba, desde 2015, que nasceu em Cacoal, casado com a Michelle Walderramas, pai do Davi Walderramas , que juntos torcem para o Corinthians e fazem questão de dizer, “amamos nosso time do coração”, que gosta de pescar e diz ser um pescador nato, gostam da natureza e nas horas vagas ele adora degustar uma cervejinha bem gelada e assar uma carne, também lê TRIBUNA POPULAR e que considera o jornal mais atualizado de Cacoal juntamente com o www.tribuna popular.com.br

Gostou? Compartilhe esta notícia!

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp