Anuncie aqui
Anuncie aqui

Bolsonaro diz que há guerra ideológica sobre uso da cloroquina contra coronavírus


Depois de usar parte de seu pronunciamento em rede nacional para defender, mais uma vez, o uso da cloroquina em casos de Covid-19, o presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira que há uma “guerra ideológica” em torno do uso do medicamento contra o novo coronavírus.

“Isso é uma guerra ideológica em cima disso, guerra de poder. Se o pessoal me ajudasse um pouquinho, não me atrapalhasse, e não estou me referindo a A, B ou C, o Brasil ia embora”, disse o presidente a apoiadores que o esperavam em frente ao Palácio da Alvorada.

Bolsonaro admitiu que ainda não há comprovação científica para o uso do medicamento, mas, lembrando uma história de um suposto uso de água de coco em transfusões de sangue durante a Segunda Guerra Mundial no Pacífico, afirmou que nem sempre é possível esperar por comprovação científica.

“Serviu como soro, imagina se fosse esperar uma comprovação científica, quantos não morreriam? Aqui a mesma coisa”, disse.

Aficcionado pela ideia de que a cloroquina pode ser a cura para o coronavírus, o presidente tem cobrado e insistido com o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, para que o ministério adote um protocolo amplo de uso do remédio, inclusive para pacientes em fase inicial da doença, o que é um dos pontos de atrito na relação estremecida entre ambos.

O Ministério da Saúde já tem um protocolo para uso da cloroquina em casos moderados a graves de doentes internados em hospitais, mas Bolsonaro quer mais. Na segunda-feira, o presidente almoçou com a imunologista Nise Yamagushi, que defende o uso da cloroquina, associada ao retroviral azitromicina, até o quarto dia depois da apresentação de sintomas da Covid-19 para evitar o agravamento do quadro.

Bolsonaro pediu que a médica se reunisse com o ministro da Casa Civil, Walter Braga Netto, que organizou uma reunião com Mandetta. O próprio ministro contou sobre o encontro e, na terça-feira, disse em entrevista que os médicos estavam livres para usar a cloroquina como quisessem, mas era preciso “um pouco mais de ciência” para um protocolo indicado pelo ministério.

Em seu pronunciamento na noite de quarta, Bolsonaro voltou a defender o medicamento e chegou a dizer que falava de seu uso publicamente há 40 dias. Na verdade, o primeiro caso de coronavírus foi confirmado em 26 de fevereiro, há 44 dias, mas Bolsonaro só foi tratar da epidemia 12 dias depois, em 9 de março, durante a viagem a Miami, para dizer que o vírus estava “superdimensionado”.

Sua primeira menção pública à cloroquina foi apenas em 21 de março, quando anunciou que os laboratórios das Forças Armadas começariam a produzir o medicamento. Dois dias antes, no dia 19, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, havia citado a cloroquina pela primeira vez como possível tratamento para doença, o que levou a uma corrida às farmácias no Brasil.

Desde o pronunciamento da noite de quarta, os apoiadores de Bolsonaro nas redes sociais passaram a tentar levantar tags associando o remédio ao presidente. A hashtag “RemédiodoBolsonaro” chegou a estar entre os principais tópicos do Twitter, com bolsonaristas conclamando seus pares a chamar a cloroquina desta forma. A hashtag, no entanto, perdeu força nas últimas horas e desapareceu dos tópicos principais.

(Reuters)

Gostou? Compartilhe esta notícia!

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp