Cacoal/RO, 26 de fevereiro de 2024 – 21:47
Search
Search
26 de fevereiro de 2024 – 21:47

Cachorros grandes vivem menos? Novo estudo traz respostas

Quem tem ou teve cachorros provavelmente já ouviu que as raças menores apresentam maior probabilidade de viver mais e de forma mais saudável.

“É uma verdade que vemos como patente no dia a dia, e por isso alertamos os donos”, afirma à BBC News Brasil a veterinária Carla Alice Berl.

“Uma raça gigante, com acima de 50 kg, costuma viver por menos anos do que uma pequena”, completa a especialista, que é fundadora da Pet Care, rede brasileira com 33 unidades espalhadas pelo país e que atende 15 mil animais por mês.

“Só que um golden retriever, por exemplo, tem maiores chances de desenvolver câncer do que um pastor.”

O artigo, com título Dog size and patterns of disease history across the canine age spectrum (“Tamanho do cão e padrões de histórico de doenças em todo o espectro de idade canina”), concluiu que o porte do cão certamente afeta sua expectativa de vida.

As doenças com maior risco de óbito, por exemplo, são mais predominantes nos cachorros de maior porte.

“Cachorros maiores tendem a viver menos. Adicionalmente, diferentes tamanhos de cães tendem a manifestar diferentes doenças (…) por exemplo, raças grandes morrem mais frequentemente em consequência de problemas musculoesqueléticos e gastrointestinais”, escreveram os cientistas no estudo.

Enquanto outros fatores não afetaram a expectativa de vida dos animais, como se os cães eram de raças puras ou vira-latas, o peso foi tido como determinante para diminuir ou aumentar riscos de males diversos.

Os cachorros grandes tendem a desenvolver doenças ósseas, gastrointestinais, infecciosas, endócrinas, neurológicas, cânceres e problemas de nariz, garganta e orelha.

Já os menores, com menos de 10 kg, são mais propensos a apresentar males oculares, cardíacos, respiratórios e relacionados ao pâncreas.

Há também um número menor de doenças, como as urinárias e as renais, cuja ocorrência não varia de acordo com o peso.

Golden retriever gorducha deitada na grama
Peso pode ser fator-chave para a longevidade de cães grandes como os golden retriever
 

A pesquisa, publicada no periódico científico Plos One nesta quarta-feira (17/01), teve como base um compilado de informações de 27.541 cachorros de 238 raças que moram com seus donos nos Estados Unidos.

Os dados vieram de um banco aberto alimentado por donos de pets e usado para pesquisas científicas, o Dog Aging Project.

Os pesquisadores, liderados pela bioestatística Yunbi Nam, da Universidade de Washington, identificaram quais doenças se apresentaram como mais comuns dentre todos esses cães.

Depois, cruzaram as informações com as de sexo, tamanho (dividindo-os em cinco categorias de peso), local onde vivem e se são de raças puras ou vira-latas.

Para a veterinária Carla Alice Berl, da rede Pet Care, o estudo teria um deslize.

“Senti falta de informações de raças específicas, pois a situação varia demais dentre cães do mesmo peso”, aponta.

“Cães braquicefálicos [conhecidos pela cabeça de formato achatado e o focinho encurtado], como os buldogues, nascem já com muito sofrimento, com vários problemas, como os respiratórios.”

Por isso, segundo a especialista, essas raças, mesmo que de pequeno porte, têm expectativa de vida similar à das maiores.

Buldogue correndo atrás de bolinha
Segundo a veterinária Carla Alice Berl, algumas raças específicas, com questões de saúde em particular, têm expectativa de vida similar à das maiores — como é o caso dos buldogues
 

 

Por que cães grandes morrem mais cedo?

O estudo publicado na Plos One é dataísta. Ou seja, restringe-se a apresentar os dados encontrados, sem procurar razões, biológicas ou não, para a diferença de expectativa de vida de cães maiores e menores.

“O que ocorre com os cachorros é estranho. Entre mamíferos, usualmente os maiores animais [como os elefantes, que morrem por volta dos 60 anos de idade, seis vezes mais que os cães], vivem mais, e isso tem a ver com a taxa de seus metabolismos. Em tese, o mesmo deveria ocorrer com os cães”, diz à BBC News Brasil a bióloga Frietson Galis, do Centro de Biodiversidade Natural, museu de história natural localizado em Leiden, na Holanda.

Galis é autora de um estudo publicado em 2006 e que se tornou referência na área. No título do artigo, que é também uma das bases teóricas da nova pesquisa publicada na Plos One, pergunta-se: “Cachorros grandes morrem novos?”

Ao longo de sua investigação, a cientista utilizou uma base de dados veterinários para rastrear quais raças vivem mais ou menos. Chegou à seguinte conclusão, segundo ela própria: “Tem ligação com a seleção artificial feita por humanos para obtermos cachorros maiores”.

De acordo com suas conclusões, os cruzamentos de raças feitos por criadores ao longo dos últimos séculos privilegiaram animais que crescem rápido, obtendo grande porte.

“Como resultado da extrema rapidez do crescimento dessas raças, os animais desenvolveram doenças como cânceres”, afirma Galis.

O que os donos podem fazer?

O rápido crescimento dos ossos dos cães grandes faz com que o peso seja prejudicial a eles em diversos aspectos, como ao pressionar as juntas.

“Por isso, é recomendado aos donos desses cachorros que não os alimentem de forma excessiva, para não forçar o crescimento dos filhotes”, propõe a bióloga Frietson Galis.

A veterinária Carla Alice Berl sugere que os tutores de pets, particularmente daqueles com porte grande, controlem a alimentação e o peso dos animais — e isso vale para cães de todos os tamanhos.

“O ideal é manter sempre 15% abaixo do peso médio da raça”, indica ela.

Segundo Berl calcula, baseada em seus próprios estudos e leituras, que um animal mais magro chega a viver quase 20% a mais.

“Isso pode representar dois anos a mais na vida de um golden retriever, ou um ano a mais na de um pastor”, afirma ela.

Mas a veterinária avisa que de nada adianta seguir apenas essa dica, se outras precauções não estiverem em dia.

“Caso queira que seu cachorro viva mais, é essencial vacinar, cuidar da saúde oral, protegê-lo de carrapatos e mantê-lo ativo, com exercícios físicos frequentes”, recomenda. (BBC)

Gostou? Compartilhe esta notícia!

Facebook
WhatsApp