Rondônia, 23 de julho de 2024 – 21:11
Search
Anuncie aqui
Search
23 de julho de 2024 – 21:11

Delegado Flori promete reorganização total na prefeitura de Vilhena

Anuncie aqui
Delegado Flori é eleito com quase 30 mil votos em eleições suplementares em Vilhena

O novo prefeito eleito em Vilhena (RO), o Delegado Flori, afirmou que vai fazer uma reorganização total na administração da cidade. Segundo o futuro chefe do executivo, a prefeitura local virou uma máquina de fazer votos.

Flori Cordeiro (Podemos) foi eleito prefeito com 30.111 votos (63,14%) durante eleição suplementar realizada no último domingo (31). Sua adversária, Rosani Donadon (PSD), ficou com 36,86% dos votos válidos.

Segundo a Justiça Eleitoral, o Delegado Flori, como é conhecido, vai assumir o cargo da prefeitura em dezembro e seguirá no cargo de prefeito até o fim do mandato presente, que encerra em 2024.

À Rede Amazônica, Flori falou sobre sua missão no principal cargo da prefeitura.

“Os próximos dois anos são pouco tempo para o que a prefeitura de Vilhena precisa fazer, em especial uma reorganização total porque a prefeitura virou uma máquina de fazer votos e não de entregar serviço. É isso que a gente quer terminar, para entregar ao próximo prefeito, seja quem for, uma prefeitura em ordem. Para que as pessoas em Vilhena possam ter a vantagem da prefeitura e não o contrário”, comentou.

 

Delegado Flori afirmou também estar surpreso com a votação expressiva que teve em sua primeira disputa para prefeito.

“A gente nunca espera um resultado expressivo desse. Foram muitos votos e muitos votos trazem grandes responsabilidades”, finalizou.

Quem é Flori?

Flori Cordeiro tem 43 anos e é natural do estado de São Paulo. Ele atuou como advogado por sete anos e depois se tornou servidor público federal.

O candidato é delegado da Polícia Federal há pelo menos 15 anos, em Rondônia. Ele já foi chefe da corporação em Porto Velho, Ji-Paraná (RO) e Vilhena (RO).

Um dos marcos na carreira de Flori foi sua participação no desmanche de um esquema que desviou mais de R$ 5 milhões dos cofres públicos. O então prefeito de Vilhena chefiava a organização criminosa e foi preso durante operação da PF coordenada por Flor.

Delegado Flori , na hora do voto.  em Vilhena— Foto: Redes Sociais/Reprodução

Quatro anos depois, em 2020, outra operação comandada pelo delegado resultou na prisão de quatro prefeitos por suspeita de crimes contra a administração pública, em um esquema de propina.

O candidato declarou um patrimônio de R$881.677,64 ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Motivo da eleição municipal em Vilhena

A cidade de Vilhena teve nova eleição municipal depois que o então prefeito, Eduardo Japonês, e a vice-prefeita, Patrícia Aparecida da Glória, tiveram os mandatos cassados pela Justiça Eleitoral. Eles foram condenados por abuso de poder político e prática de condutas vedadas aos agentes públicos, em junho deste ano.

(Por Lieberson Pimentel, g1 RO e Rede Amazônica)

Gostou? Compartilhe esta notícia!

Facebook
WhatsApp