Cacoal/RO, 26 de fevereiro de 2024 – 10:19
Search
Search
26 de fevereiro de 2024 – 10:19

Biden ordena quase 3.000 soldados dos EUA à Europa Oriental para combater a Rússia

WASHINGTON/MOSCOVO, 2 Fev (Reuters) – Os Estados Unidos enviarão quase 3.000 soldados extras para a Polônia e a Romênia para reforçar os aliados da Otan do Leste Europeu diante do que Washington descreve como uma ameaça russa de invadir a Ucrânia, disseram autoridades norte-americanas nesta quarta-feira.

A Rússia, por sua vez, sinalizou que não estava disposta a fazer concessões ao zombar da Grã-Bretanha, chamando o primeiro-ministro Boris Johnson de “totalmente confuso” e ridicularizando o que disse ser “estupidez e ignorância” dos políticos britânicos.

Moscou reuniu mais de 100.000 soldados perto das fronteiras da Ucrânia. Ele nega qualquer plano de invadir seu vizinho, mas diz que pode tomar medidas militares não especificadas se suas exigências não forem atendidas, incluindo uma promessa da Otan de nunca admitir Kiev. consulte Mais informação

Um esquadrão Stryker de cerca de 1.000 militares dos EUA com base em Vilseck, na Alemanha, seria enviado para a Romênia, disse o Pentágono, enquanto cerca de 1.700 militares, principalmente da 82ª Divisão Aerotransportada, seriam enviados de Fort Bragg, Carolina do Norte, para a Polônia. Trezentos outros membros do serviço se mudarão de Fort Bragg para a Alemanha.

O objetivo, disse o porta-voz do Pentágono, John Kirby, era enviar um “forte sinal” ao presidente Vladimir Putin “e, francamente, ao mundo, que a OTAN é importante para os Estados Unidos e é importante para nossos aliados”.
“Sabemos que ele também se irrita com a OTAN, com a OTAN. Ele não escondeu isso. Estamos deixando claro que estaremos preparados para defender nossos aliados da OTAN se chegar a isso. Espero que isso não aconteça. para isso.”

O ministro da Defesa da Polônia, Mariusz Blaszczak, disse que a mobilização dos EUA foi um forte sinal de solidariedade. O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, também a saudou, dizendo que a resposta da aliança à Rússia foi defensiva e proporcional. consulte Mais informação

Os esforços para chegar a uma solução diplomática vacilaram, com os países ocidentais descrevendo as principais demandas da Rússia como inválidas e Moscou não mostrando sinais de retirá-las.

O presidente francês, Emmanuel Macron, disse que discutirá a crise com o presidente dos EUA, Joe Biden, nas próximas horas e não descartou viajar para a Rússia para se encontrar com Putin. A prioridade era evitar o aumento das tensões, disse Macron.

O Kremlin disse que Putin disse a Johnson que a Otan não estava respondendo adequadamente às suas preocupações de segurança. O gabinete de Johnson disse que ele disse a Putin que uma incursão seria um “trágico erro de cálculo” e eles concordaram em aplicar um “espírito de diálogo”.

consulte Mais informação
Na terça-feira, Johnson acusou a Rússia de apontar uma arma para a cabeça da Ucrânia, provocando comentários cáusticos do porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, antes da ligação com Putin. Johnson reagendou a ligação para responder a perguntas no parlamento sobre acusações de que sua equipe violou as regras de bloqueio do COVID-19.

“A Rússia e o presidente Putin estão abertos a se comunicar com todos”, disse Peskov. “Mesmo para alguém que está totalmente confuso, ele está preparado para fornecer explicações exaustivas.”

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia zombou da secretária de Relações Exteriores de Johnson, Liz Truss, por dizer que a Grã-Bretanha estava enviando suprimentos para seus “aliados do Báltico através do Mar Negro” – dois corpos de água que estão em lados opostos da Europa.

“Sra. Truss, seu conhecimento de história não é nada comparado ao seu conhecimento de geografia”, escreveu a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, em um post no blog. “Se alguém precisa ser salvo de alguma coisa, é o mundo, da estupidez e ignorância dos políticos britânicos.”

URSO VS RAPOSA

Nem o Kremlin reservou sua inteligência para a Grã-Bretanha. Observando que o porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, comparou Moscou a uma raposa gritando do alto de um galinheiro, Peskov disse: “Na verdade, é sempre tradicional comparar a Rússia a um urso. Mas um urso não pode ficar em um galinheiro. É muito grande e pesado.”

Um dia antes, Putin apresentou uma visão de mundo na qual a Rússia estava sendo forçada a se proteger da agressão dos EUA. Em seus primeiros comentários públicos sobre a crise na Ucrânia neste ano, ele disse que Washington estava tentando atrair Moscou para a guerra insistindo na possibilidade de a Ucrânia se juntar à Otan.

“Já está claro agora… que as preocupações fundamentais da Rússia foram ignoradas”, disse Putin na terça-feira. Descrevendo um cenário em que a Ucrânia se junta à OTAN e depois ataca as forças russas, ele perguntou: “Devemos ir à guerra com o bloco da OTAN? Alguém já pensou nisso? Aparentemente não”.

Washington disse que não enviará tropas à Ucrânia para protegê-la de um ataque russo, mas imporá sanções financeiras a Moscou e enviará armas para ajudar os ucranianos a se defenderem. consulte Mais informação

A Rússia, ainda o principal fornecedor de energia da Europa, apesar de estar sob sanções dos EUA e da UE desde que anexou a Crimeia da Ucrânia em 2014, descarta sanções adicionais como uma ameaça vazia. consulte Mais informação

Washington e seus aliados rejeitaram as duas principais demandas da Rússia – que a Ucrânia seja impedida de ingressar na Otan e que o envio de tropas nos países do leste europeu que aderiram à aliança após o fim da Guerra Fria seja revertido.

Gostou? Compartilhe esta notícia!

Facebook
WhatsApp