Rondônia, 17 de julho de 2024 – 06:59
Search
Anuncie aqui
Search
17 de julho de 2024 – 06:59

Coluna do Xavier – CACOAL: A EDUCAÇÃO, OS ÔNIBUS E A PIROTECNIA…

Anuncie aqui

*FRANCISCO GOMES XAVIER 

O ano letivo iniciou, há quase 10 dias, em Cacoal e estudantes de escolas estaduais voltaram às atividades presenciais, que era um desejo das famílias, dos alunos e dos professores, porque, convenhamos, os últimos dois anos foram muito complicados, visto que o modelo remoto de fazer aulas é totalmente incompatível com a realidade de milhares de estudantes e famílias rondonienses. Na rede municipal, segue a cantilena de sempre, com relação à falta de transporte para os alunos do setor rural do município. Claro que as autoridades municipais vão apresentar um monte de argumentos para justificar a falta de transporte para os estudantes da zona rural, mas não admitirão a falha sobre o fato. A culpa será das chuvas, do sol, da mudança de um ano para outro, e outros argumentos injustificáveis. O curioso é ver que, mesmo nesse cenário de negligência, diversos vereadores compareceram ao pátio da prefeitura esta semana para bater palmas para o prefeito e participar de um desfile fajuto de ônibus, como se tudo estivesse funcionando perfeitamente. E nas redes sociais, muitas pessoas aplaudem efusivamente essa pirotecnia de quinta categoria…

Essa conduta adotada por muitos cacoalenses, incluindo-se diversos vereadores, não combina, de jeito nenhum, com aquilo que foi apresentado, pelo então candidato a prefeito, no Plano de Governo que entregou à Justiça Eleitoral, no ato de pedido de registro de candidatura. Ali está escrito que haveria grandes investimentos na educação, construção de creches, valorização de profissionais e melhoramento no sistema de transporte escolar. O que foi que melhorou? Nada! As aulas no setor rural até agora não começaram, não existe nenhuma manifestação pública do secretário sobre o assunto e está mantida a tradição de inventar uma desculpa atrás da outra para explicar marca de batom em cueca. Como ocorria em outras épocas, os vereadores ficam caladinhos e ainda fazem lives para exaltar meia dúzia de ônibus amarelos que o Ministério da Educação comprou e mandou para a Capital do Café. Mas certamente os bajuladores de plantão vão aparecer para dizer que a prefeitura valorizou os professores, quando entregou um notebook para os colegas. E daí? Isso muda o quê? Quanto aos ônibus amarelos que desfilaram para a plebe ignara, nenhuma novidade nisso. Até os lambaris lombriguentos do Pirarara lembram que Glaucione Maria também recebeu 25 ônibus desses quando era prefeita…

Esses eventos de inauguração de ordem de serviço de pontes, de lançamento de obras e outras pataquadas são rotineiros em Nossa Urbe Obediana. Poucos dias atrás, houve um evento cheio de glamour, para inaugurar um palanque e dizer que as pontes do Pirarara e Machado seriam construídas e que o sofrimento das pessoas e empresas prejudicadas pelas enchentes anuais dos rios teriam acabado. Cadê a obra das pontes? Tudo ficou na pirotecnia chapolinense. Mas os guachebas que adoram a bajulação nas redes sociais fazem beicinho, quando alguém cobra seriedade dos vereadores ou do prefeito. Não é possível que esses bajuladores não percebam que há clara negligência do legislativo em muitos fatos. Então, quero reiterar que existem vários vereadores bajuladores do prefeito e que eles contam com os aplausos de muitas pessoas que dizem amar a cidade, mas não aceitam que seus ídolos sejam cobrados. Esse pessoal deveria investir uma parte do salário em óleo de peroba. Uma Casa de Leis onde sete ou oito vereadores ganham salários estratosféricos para bajular o chefe do executivo não pode ser exaltada como fazem esses guachebas em redes sociais…

Apenas para refrescar a frágil memória dos bajuladores, basta citar que, até hoje, as famílias contempladas com casinhas no Vale Verde continuam sem teto; a obra da rua Uirapuru não tem data para começar; as obras do Hospital Municipal estão paradas; o clube de futebol do município não tem um estádio para mandar jogos; a reforma da rodoviária ficou somente na conversa; o Corujão do SUS nunca saiu do papel e a obra mais importante dessa administração foi a construção de um trenó de Natal. Mesmo com esse cenário, os bajuladores não gostam, quando alguém critica os vereadores que foram eleitos dizendo que iam mudar a cidade. Todas as velhas práticas seguem normalmente e se consolidam a cada dia como tradição obediana. E a Turma dos Parabéns segue animada a cada ato de pirotecnia da administração.

Os ônibus amarelos que o MEC comprou estão longe de ser um grande feito. Em menos de dois anos, esses ônibus não servirão nem para desfile de vereadores. Investir na educação é pagar o Piso Salarial atualizado; manter as escolas rurais abertas; oferecer oportunidade para os profissionais fazerem cursos de mestrado e doutorado; criar incentivos para professores da zona rural e cumprir as metas do Plano Decenal de Educação. O resto é pura pirotecnia para agradar uma plateia que se contenta com trenós… Tenho dito!!!

 

*FRANCISCO XAVIER GOMES – Professor da Rede Estadual e Articulista

Gostou? Compartilhe esta notícia!

Facebook
WhatsApp