Cacoal/RO, 18 de junho de 2024 – 10:38
Search
Anuncie aqui
Search
18 de junho de 2024 – 10:38

Cursos superiores EAD SENAI-RO formam profissionais para o mundo, disse gerente de Educação

Anuncie aqui

O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de Rondônia (SENAI-RO), em termos de educação profissional, está atendendo os três níveis. O básico com os cursos livres de qualificação e iniciação, os cursos técnicos nas mais variadas áreas e agora, com a criação por meio da UniSENAI, o centro universitário do SENAI, Rondônia conta com dois pólos que atendem alguns cursos de nível superior, sendo um na unidade de Ariquemes e o outro, em Cacoal.

O SENAI-RO lançou dois cursos de Análise e Desenvolvimento de Sistemas e Ciência de Dados e Inteligência Artificial (IA), cem por cento EAD e os alunos comparecem à unidade apenas para as avaliações. Os cursos ofertados são pagos e por ser à distância, têm um valor em conta. A certificação é oficial e tem a marca SENAI.

Alexandre Custódio, da Coordenação de Educação (Cebep) citou dados da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom), afirmando que a taxa de empregabilidade na área de TI no Brasil é de cerca de 94%, o que significa que a grande maioria dos profissionais formados na área consegue se inserir no mercado de trabalho e que o SENAI está inserido neste contexto.

Custódio explicou que o profissional em Análise e Desenvolvimento de Sistemas e Ciência de Dados pode trabalhar como perito em Informática, realizando perícias e laudos técnicos, atuar como coordenador e gerente de projetos de sistemas computacionais e liderar equipes nas mais diversas áreas envolvidas no processo de análise e desenvolvimento de sistemas.

Já um especialista em Inteligência Artificial, lembrou Custódio, é o profissional responsável por projetar e implementar soluções de IA para resolver problemas específicos, otimizar processos e criar novas oportunidades em diversas áreas, como saúde, finanças e tecnologia, sendo ele um dos mais requisitados no mercado para os próximos anos.

No seu ponto de vista a IA é uma das áreas mais fascinantes e promissoras da tecnologia atual. “Pois permite que máquinas e dispositivos eletrônicos realizem tarefas que antes eram exclusivas dos seres humanos. E não apenas tarefas mecânicas, mas também tarefas que exigiam a atuação de profissionais especializados”, pontuou Custódio.

Conforme o gerente de Educação Básica e Profissional SESI-SENAI-IEL-RO, Jair Coelho “uma das questões que mais valorizam cursos voltados para a área da Tecnologia da Informação e Comunicação, inclusive a Inteligência Artificial, é que hoje existe o Head Hunter, que traduzindo em português livremente, é aquele caça talentos, que são profissionais contratados por empresas do mundo inteiro, procurando talentos brasileiros que possam trabalhar da sua própria cidade para empresas no exterior”.

O gerente lembrou que “no estado temos exemplos de filhos de colaboradores formados nessa área e que trabalham para empresas da Europa, Estados Unidos, Canadá, dentre outros países. Cito como exemplo, o filho do gerente de Serviços de Tecnologia e Inovação (STI) do SENAI-RO, José Rafael Lopes, o engenheiro de Software, Caio Lopes”.

No Brasil, a perspectiva é de um crescimento acelerado. Esta expansão é impulsionada pela transformação digital em curso nas empresas e serviços, que gera uma demanda crescente por profissionais de TI em diversas áreas. “Os profissionais de TI formados pelo SENAI, podem encontrar salários atrativos, com empresas buscando talentos para impulsionar seus processos de digitalização”, disse.

Nos Estados Unidos, citou o engenheiro de Software, o mercado de TI se encontra em um estágio mais maduro, com um crescimento previsto de 9% em 2024. “É importante ressaltar que o mercado norte-americano apresenta desafios, como a alta competitividade e a necessidade de adaptação à cultura e idioma local, mas o Brasil tem a vantagem de um fuso horário mais próximo do que países na Europa e Ásia. Ao escolher entre trabalhar no Brasil ou de forma remota para empresas no exterior, é fundamental considerar diversos fatores, como salário, benefícios, qualidade de vida, oportunidades de carreira, cultura e idioma”, declarou Caio.

Imprensa/FIERO

Gostou? Compartilhe esta notícia!

Facebook
WhatsApp