Cacoal/RO, 1 de março de 2024 – 13:03
Search
Search
1 de março de 2024 – 13:03

Mapa publica o registro de mais 51 agrotóxicos para controle de pragas na agricultura

Até o momento, no ano de 2023 já foram registrados 72 produtos de baixo impacto

OAto nº 52 do Departamento de Sanidade Vegetal e Insumos Agrícolas da Secretaria de Defesa Agropecuária, publicado nesta terça-feira (05), no Diário Oficial da União, traz o registro de 51 produtos formulados, ou seja, defensivos agrícolas que efetivamente estarão disponíveis para uso pelos agricultores. Desses, nove são de baixo impacto.  

A linha de produtos biológicos para controle de pragas conta com um produto que contêm em sua composição Bacillus thuringiensis Brevibacillus laterosporus. O Bacillus thuringiensis, conhecido por muitos como BT, já é bastante utilizado no controle de pragas. A inovação nesse caso está por conta da bactéria Gram-positiva Brevibacillus laterosporus. Já existem vários estudos que relatam essa bactéria controlando alguns tipos de insetos, mas esse produto aprovado foi registrado para o controle de Chrysodeixis includens (falsa medideira)Tuta absoluta (traça-do-tomateiro) e Spodoptera frugiperda (lagarta do milho). 

Também foi registrado um produto a base de extrato de Argemone mexicanaque é uma planta utilizada popularmente alguns países como terapêutica. O produto a base de setrato de planta foi registrado para controle de Bemisia tabaci biótipo B em melão e tomate; Dalbulus maidis no milhoEuschistus heros na soja. 

Até o momento, no ano de 2023 já foram registrados 72 produtos de baixo impacto. No total já são 489 novos produtos que podem estar disponíveis aos agricultores, o que evidencia a crescente preocupação com práticas agrícolas sustentáveis.  

Já em relação aos produtos químicos registrados, a inovação se dá por parte de misturas de ativos já registrados. Muitos desses são produtos que se comparados a forma de registro dos medicamentos seriam os chamados produtos genéricos. O registro de defensivos genéricos é importante para diminuir a concentração do mercado e aumentar a concorrência, o que resulta em um comércio mais justo e em menores custos de produção para a agricultura brasileira. 

Os demais produtos utilizam ingredientes ativos já registrados anteriormente no país.   

Todos os produtos registrados foram analisados e aprovados pelos órgãos responsáveis pela saúde, meio ambiente e agricultura, de acordo com critérios científicos e alinhados às melhores práticas internacionais. 

Informações à Imprensa
Patrícia Távora
[email protected]

Gostou? Compartilhe esta notícia!

Facebook
WhatsApp