Cacoal/RO, 21 de junho de 2024 – 18:46
Search
Anuncie aqui
Search
21 de junho de 2024 – 18:46

Novas denúncias reforçam a existência de campos de concentração na China

Anuncie aqui

Brehnno Galgane

china

Brehnno Galgane

Poucos dias depois do embaixador da China no Reino Unido, Liu Xiaoming, ser confrontado durante uma entrevista à BBC com denúncias de violação dos direitos humanos no país, novas acusações surgiram. Desta vez, o The Guardian publicou um vídeo em que Lily Kuo, chefe da sucursal do jornal em Pequim, explicou o que acontece na província de Xinjiang e nos seus “campos de reeducação”.

A região noroeste da China, onde está Xinjiang, é ocupada em grande parte pelos Uigures e outras minorias muçulmanas. “O governo chinês enxerga esses povos como separatistas em potencial ou terroristas”, contou Lily Kuo. “Se você for para Xinjiang a sensação é de que se está no meio de uma guerra civil. Há postos de controle em todos os lugares, policiais armados, e câmeras de segurança. Muitas câmeras”.

Sobre os campos de reeducação no qual estariam detidos mais de um milhão de pessoas, Lily conta que o governo os descreve como “campos de treinamento profissional”. A ditadura chinesa também garante que ninguém é obrigado a ir para lá e que os detentos são, na verdade, estudantes.

“Esses campos são prisões”, afirma a jornalista. “Lá dentro os presos são doutrinados politicamente. Isso inclui ficar sentado durante horas escutando discursos de Xi Jinping ou cantando hinos patrióticos”. Há também relatos de tortura, com eletrochoques e medicação forçada.

Questionada se o que acontece na província de Xinjiang poderia ser chamado de genocídio, Lily pondera que não, se for levado em consideração a morte de um grande número de pessoas em um curto espaço de tempo. “Mas é um processo lento de extermínio de uma identidade, de uma cultura e de um povo”, diz.

Ela afirma também que existem evidências de casos de esterilizações forçadas de mulheres e outros esforços para reduzir a população. “Portanto, algumas pessoas vão dizer que sim, isso equivale a um genocídio”, conclui.

Fonte: Revista Oeste/Terça Livre


Gostou? Compartilhe esta notícia!

Facebook
WhatsApp