Rondônia, 17 de julho de 2024 – 19:00
Search
Anuncie aqui
Search
17 de julho de 2024 – 19:00

O DIA 16 DE SETEMBRO NA HISTÓRIA

Anuncie aqui

Por Lúcio Albuquerque
Whatsapp 69 99910 8325

Errei. Ontem: a população de Porto Velho em 1960 era de 50 mil e não 30 mil moradores.

BOM DIA 6ª feira, 16 DE SETEMBRO

HOJE É
Dia Nacional do Caminhoneiro (Lei n° 11.927/2009); há mais duas datas, 30/6, (só São Paulo) e 25/7, Dia de São Cristóvão padroeiro dos motoristas). Dia Internacional para a Preservação da Camada de Ozônio. Dia Nacional de Combate e Prevenção à Trombose.
Católicos lembram São Cipriano, São Cornélio, Santa Eufêmia, São Niniano e Beato Vitor III.

RONDÔNIA
1944 – No clube Internacional, com a presença do governador Jesus Burlamaqui Hosana, é fundado o Rotary Clube de Porto Velho.

1992 – O presidente da Assembleia Legislativa deputado Silvernani Santos, assume o governo do Estado com o afastamento do governador (por doença) e do vice (em viagem ao exterior).

BRASIL
1817 — Emancipação de Alagoas, antes parte da Capitania de Pernambuco.

1909 – Alberto Santos Dumont bate o recorde de decolagem mais curta com o Demoiselle.

1914 – Nasce Lupicínio Rodrigues, autor de clássicos da música brasileira (m. 1974).

1947 – Oswaldo Aranha é eleito Presidente da Assembleia Geral da ONU, daí que o Brasil abre o ano de debates na Assembleia Geral da ONU.

MUNDO
681 – No Sexto Concílio Ecumênico o Papa Honório I é postumamente excomungado.

1846 – O dentista William Thomas Morton (EUA) usa pela 1ª vez o éter como anestésico.

1952 – Greve de fome de Mahatma Gandhi em protesto contra separação de castas na Índia.

1978 – O cardeal polonês Karol Woitila torna-se o 1º papa não italiano em 456 anos, com o nome de João Paulo II, permanecendo como papa até 2005.

 

FOTO DO DIA

 

Oficial da engenharia militar, Paulo Nunes Leal governou duas vezes o Território, de 1954 1 1955, quando o nome era “Guaporé” e a segunda (1958/61) quando escreveu seu nome na história, ao desafiar o presidente JK a abrir “O Outro Braço da Cruz” (), a atual BR-364. Em 1959 mandou três funcionários buscar em São Paulo a caçamba batizada “Bandeirante”, viagem iniciada a 10 de outubro de 1959, até uma cidade de Mato Grosso, onde acabou a estrada, dali em balsa até Guajará Mirim, chegando a Porto Velho a 19 de novembro, num trem da Madeira-Mamoré, fato narrado por Manoel Rodrigues Ferreira () em “Nas Selvas Amazônicas”. Paulo Leal foi eleito em 1966 deputado federal pelo Território, mas em 1970 foi traído na convenção da Arena e perdeu a indicação à reeleição. Título do livro que Paulo Leal narra a construção da rodovia. (**) Autor da principal obra sobre a Madeira-Mamoré, “Ferrovia do diabo”.

Gostou? Compartilhe esta notícia!

Facebook
WhatsApp