Cacoal/RO, 1 de março de 2024 – 13:10
Search
Search
1 de março de 2024 – 13:10

Quem eram as ‘crianças da chaminé’ exploradas nos países industrializados até o século 19?

Você está prestes a ler um daqueles textos que deveriam conter o aviso de que pode ofender sua sensibilidade, porque provavelmente o fará.

Trata-se de crianças chaminés, que viviam em condições brutais trabalhando como limpadores de chaminés, prática notavelmente difundida e socialmente aceita há muito tempo em diversas partes do mundo.

Sem opção de fuga, as crianças suportaram longas horas, tratamentos horríveis e condições de trabalho atrozes.

Alguns, com apenas 3 anos de idade, eram muitas vezes órfãos ou vendidos pelos pais pobres, ficando à mercê dos seus senhores ou “mestres”, que os obrigavam a realizar o trabalho, por mais perigoso que fosse.

No final dos séculos 18 e 19, a imprensa britânica frequentemente continha relatos de mortes dos também chamados de “meninos escaladores”.

Alguns caíram de telhados ou estruturas de chaminés. Outros ficaram presos e sufocados. Houve até casos de crianças que foram assadas vivas depois de serem obrigadas a entrar em lareiras ainda quentes ou acesas, para as apagar.

Um desses incidentes trágicos ocorreu em Limerick, na Irlanda, em 1846.

Michael O’Brien, 8 anos, morreu preso em uma chaminé cuja fuligem pegou fogo naquele dia.

No inquérito do legista, Catherine Ryan, uma empregada doméstica, testemunhou sob juramento que ouviu o amo do menino, Michael Sullivan, ordenar que ele a limpasse e, cerca de 15 minutos depois, o menino gritou que estava queimando.

Quando ele saiu, “Sullivan agarrou-o pela perna e bateu nele com um cinto de couro com tanta força que o menino se ajoelhou e disse: ‘Vou até o topo da casa e desço pela chaminé’. Vi Sullivan agarrando-o pelo braço e carregando escada acima. Posteriormente, a criança foi puxada morta da chaminé.”

O Limerick and Clare Examiner informou que o corpo foi encontrado “em estado espantoso, com a pele gravemente queimada e desfigurada”, e que, após o inquérito, foi emitido o veredito por morte acidental.

Esse era o veredito habitual, e apenas em alguns casos — como este, por causa da opinião pública — alguém foi eventualmente punido.

Dois meninos entrando em chaminé com ajuda de uma escada
‘Limpadores de chaminés’, retrato de estúdio de Pierre O. Havens, Savannah, Geórgia, EUA (1868)
 

E não foi apenas na Irlanda.

Embora em locais como a Escócia e a Rússia tenham sido utilizados métodos alternativos para esta tarefa — como baixar uma escova com um peso amarrado a uma corda pela chaminé — na Inglaterra, França, Bélgica, Suíça, Países Baixos e provavelmente também em outros lugares havia crianças limpadores de chaminés.

Na Itália, eram conhecidos como spazzacamini, e no norte do país treinavam órfãos e mendigos para trabalhar no exterior.

Por sua vez, nos invernos dos séculos 19 e 20, famílias pobres de regiões suíças, como o cantão de Ticino, nos Alpes, entregaram meninos entre 8 e 15 anos a mestres italianos para trabalharem como limpadores de chaminés em Milão ou outras cidades lombardas, em condições de semiescravidão.

Nos Estados Unidos, tanto antes como depois da abolição da escravatura, os rapazes que limpavam chaminés eram geralmente afro-americanos.

Por quê?

Ilustração de uma proposta de solução mecânica (G) para o trabalho perigoso dos limpa-chaminés infantis, apresentada nas condutas de fumos (H, B, C, E).
Ilustração de uma proposta de solução mecânica (G) para o trabalho perigoso dos limpa-chaminés infantis, apresentada nas condutas de fumos (H, B, C, E)
 

Embora as lareiras existissem desde a época do Império Romano e na Idade Média fossem instaladas especialmente em castelos, só por volta do século 16 é que se tornaram mais populares.

A aristocracia e a burguesia começaram a substituir com elas o método tradicional de aquecimento das suas casas através da manutenção de uma fogueira central àlenha.

Logo, a classe trabalhadora também os adotou.

Para quem se dedicava a limpá-las, a procura só aumentava e, nos séculos 17 e 18, essa já era uma linha de trabalho plenamente consolidada, essencial para prevenir incêndios.

Só que, quando a maioria das pessoas abandonou a lenha em favor do carvão, o desenho das chaminés mudou: as saídas foram estreitadas para criar um melhor fluxo.

O duto padrão foi reduzido para 36×23 cm, mas havia outros mais estreitos, de até 23×23 cm.

Além disso, com os edifícios de andares mais altos se multiplicando para acomodar cada vez mais pessoas nas cidades, especialmente quando chegou a revolução industrial, esses dutos multiplicaram-se e foram ligados para aquecer mais divisões nos edifícios.

Seus caminhos poderiam incluir dois ou mais ângulos retos e seções horizontais e verticais angulares.

Como resultado, as chaminés tornaram-se labirintos complexos, angulosos, estreitos e escuros que dificultaram o que se tornara ainda mais essencial à tarefa de limpá-las.

Se isso não fosse feito periodicamente, os depósitos de fuligem pegajosos e altamente inflamáveis ​​bloqueariam a chaminé e as casas se encheriam de gases tóxicos.

Mas quem caberia — e teria a possibilidade de se mover — naqueles túneis verticais estreitos e tortuosos?

A duras penas, as crianças

Quadro "The Chimney Sweep", de Frederick Daniel Hardy, mostrando três crianças observando com espanto enquanto outra criança limpa a chaminé de sua casa
‘The Chimney Sweep’, de Frederick Daniel Hardy, mostrando três crianças observando com espanto enquanto outra criança limpar a chaminé de sua casa (1866)
 

Os pequenos limpa-chaminés cuidavam então da vida e da saúde dos seus empregadores, mas a um custo elevado para si mesmos.

Com idades que variavam dos 4 anos até a puberdade, seus corpos ainda subdesenvolvidos sofreram consequências como deformidade óssea.

A exposição intensa e constante à fuligem e às suas toxinas causou desde problemas pulmonares, através da inalação, até dolorosas inflamações oculares e, em alguns casos, cegueira.

Muitas vezes, as chaminés pelas quais eles tinham que entrar ainda estavam muito quentes devido ao fogo, algumas ainda queimando, e feriam a pele ou algo pior.

Uma pele que, embora não sofresse com o calor, ficava em carne viva após as incursões nos estreitos dutos devido ao atrito.

As feridas, cheias de fuligem, infeccionavam porque não conseguiam limpá-las, pois, na melhor das hipóteses, podiam tomar banho três vezes por ano.

Se não fossem suficientemente hábeis, poderiam ficar presos: os joelhos travados sob o queixo, sem espaço para se libertarem desta posição retorcida.

A criança da esquerda está na posição correta para subir, com a mão direita levantada, a esquerda à frente, movimentando-se com os joelhos e os pés para trás; A da direita está presa, com os joelhos dobrados até o queixo, e precisará ser arrancada, ou a chaminé terá que ser quebrada para recuperar o corpo
A criança da esquerda está na posição correta para subir, com a mão direita levantada, a esquerda à frente, movimentando-se com os joelhos e os pés para trás; A da direita está presa, com os joelhos dobrados até o queixo, e precisará ser arrancada, ou a chaminé terá que ser quebrada para recuperar o corpo
 

Os mais sortudos eram ajudados, puxados por uma corda. Mas, se passasse muito tempo antes de serem ajudados ou os esforços fossem em vão, eles se sufocavam.

Nos casos de “mortes acidentais” a única forma de resgatar os corpos era retirando tijolos.

Com consequências tão terríveis, as crianças tiveram que ser tão fortes e ágeis quanto possível para sobreviver.

Aqueles que obtiam sucesso corriam o risco de sofrer mais tarde de uma doença comum na Europa do século 18, predominantemente na Inglaterra.

Ficou conhecida como “câncer de limpador de chaminés”, comumente conhecida como verruga de fuligem, que atacava o escroto e afetava os meninos quando eles chegavam à adolescência.

Muitos médicos pensaram que a causa eram as doenças venéreas que predominavam na época, mas o cirurgião britânico Percivall Pott insistiu que o motivo era outro.

Em 1775, ele publicou um artigo mostrando uma associação estatisticamente significativa entre a exposição à fuligem e uma alta incidência de câncer escrotal em crianças de lareira.

Com isso, ele demonstrou, pela primeira vez na história, que o câncer poderia ser causado por agentes ambientais que atuam como causadores de câncer em humanos.

E ele identificou o primeiro câncer industrial.

Tudo isto significava que o futuro das crianças limpa-chaminés era limitado: era pouco provável que atingissem a idade adulta, muito menos a velhice.

Por fim, o fim

Imagem mostra menina suja por conta da sujeira de chaminé
Algumas meninas também faziam a limpeza de chaminés
 

O pesadelo não terminou quando o trabalho deles terminou.

Sem pais para garantir seu bem-estar ou leis que os protegessem, as crianças ficavam à mercê de estranhos que as consideravam ferramentas de trabalho.

Os abusos físicos eram frequentes e, geralmente, só lhes era dada roupa suficiente para não ficarem nus, mas não para se protegerem do frio, nem para trocarem e evitarem o contato constante com a fuligem.

Comiam pouco e dormiam na rua ou no porão, enrolados no mesmo cobertor que usavam para recolher o que retiravam das chaminés que limpavam.

Mas a situação deles não era invisível para todos.

Suas vidas foram exploradas na literatura e na cultura popular, com autores como o poeta britânico William Blake e o escritor francês Victor Hugo, o que atraiu a atenção do público.

Apesar dos esforços de pessoas influentes em todos os países onde esta forma de exploração infantil foi aceita, demorou algum tempo até que fosse proibida.

No Reino Unido, por exemplo, na sequência de uma campanha na década de 1760 do filantropo Jonas Hanway, foi promulgada uma lei em 1788 especificando uma idade mínima de 8 anos para ser um limpador de chaminés.

Mas nem este nem outros regulamentos foram aplicados. Até que a morte de mais uma criança foi o gatilho para que as medidas necessárias fossem finalmente tomadas.

George Brewster tinha 11 anos quando ficou preso na estreita chaminé de um hospital vitoriano em Cambridgeshire.

Embora tenham derrubado um muro para alcançá-lo, ele morreu pouco depois.

O 7º Conde de Shaftesbury leu sobre sua morte e aprovou um projeto de lei no Parlamento para acabar com o uso de crianças como limpadores de chaminés.

A lei de 1875 exigia que os limpadores de chaminés fossem licenciados e registrados na polícia, o que exigia a supervisão das práticas.

Assim, finalmente, chegou ao fim a barbárie dos filhos da chaminé.

(BBC)

Gostou? Compartilhe esta notícia!

Facebook
WhatsApp