Cacoal/RO, 26 de fevereiro de 2024 – 10:24
Search
Search
26 de fevereiro de 2024 – 10:24

A narrativa do fogo, por Marcelo Tognozzi

Força Nacional De Segurança Pública, Incêndio No Pantanal
Mais de 40 bombeiros da Força Nacional já atuam desde o dia 24 de setembro no Mato Grosso (Divulgação/Força Nacional de Segurança Pública)

Por Marcelo Tognozzi

M.A.K. Halliday, um dos maiores linguistas de todos os tempos, ensinou que “uma descrição não é exata ou falsa; ela é melhor ou pior, mais útil ou menos útil”.

O mesmo acontece com as narrativas, porque não partem do ponto de vista da verdade, mas do ponto de vista do convencimento e da disseminação de conceitos. Entendo que toda ação de persuasão é uma ação de comunicação e, por isso, as crises costumam ser sustentadas e resolvidas com narrativas.

Faço este rápido preâmbulo para entrar num assunto que tem sido o calcanhar de Aquiles do governo Bolsonaro: o meio-ambiente.

Desde a posse, a mídia nacional e internacional bombardeia o governo brasileiro com todo tipo de notícia negativa sobre o meio-ambiente, numa narrativa cujo eixo são os incêndios e seu foco a reputação.

Uma parte da mídia brasileira que domina a audiência na TV aberta e na internet ajudou a criar e mantém a narrativa pela qual o atual governo promove o maior incêndio de todos os tempos na Amazônia, Pantanal e outros biomas espalhados pelo país. As reportagens têm sido produzidas não com o intuito de informar, mas de corroborar e confirmar a narrativa dos incêndios.

Mas como dizia o ex-presidente Abraham Lincoln, ninguém consegue enganar todo mundo todo o tempo.

Na última quinta-feira este Poder360 quebrou as pernas desta narrativa ao informar que as maiores queimadas em biomas brasileiros ocorreram nos governos Lula e Dilma. Os números são do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), que Bolsonaro e seu vice Hamilton Mourão rotularam de adversário.

Queimadas Biomas 01 1

“Alguém no INPE faz oposição ao governo do presidente Jair Bolsonaro e prioriza a divulgação de dados negativos sobre as queimadas”, acusou Mourão no dia 15 de setembro.

Há quase dois anos a crise do meio-ambiente vem sendo sustentada por uma narrativa a qual o governo foi incapaz de neutralizar, não por falta de dados, mas por incompetência mesmo. O Poder360 citou o INPE como fonte, mas os dados estão no Google.

Não é preciso acessar os arquivos do Instituto para constatar esta realidade. Em 2007, por exemplo, quando Lula era presidente reeleito e Marina Silva ministra do Meio Ambiente, as queimadas destruíram 428.573 km2. Somente na Amazônia 115.883 km2 viraram carvão. No segundo ano da era Lula-Marina, em 2004, foram 311.291 km2 de matas consumidas pelo fogo.

No calor do ano de 2007 Marina Silva foi agraciada com o prêmio Champions of the Earth (Campeões da Terra) dado pela ONU. Ela ainda receberia vários outros prêmios como defensora do meio ambiente, embora durante o período em que foi ministra (2003-2008) as queimadas, como um todo, tenham sido muito mais violentas e destruidoras do que as ocorridas no ano passado e neste 2020. Não estou crucificando Marina Silva, mas não se briga com a realidade.

Os números são oficiais e tanto o PT, quanto os ambientalistas nacionais e internacionais, precisam explicar por que ninguém viu o Brasil incendiando no governo Lula e por que a ministra recordista em queimadas foi a que mais honrarias recebeu. Naquela época queimaram-se as matas, não as reputações.

Num estudo sobre guerras de narrativas que produzi no ano passado, explico que as narrativas são formadas por 6 elementos fundamentais: o discurso, o foco, a história, os indícios ou provas, a sequência e o encadeamento. Não precisa ser especialista no assunto para notar que a onda de pancadaria desencadeada dentro e fora do Brasil contém todos estes 6 ingredientes. O sucesso desta narrativa contra o governo brasileiro é tamanho, que várias pesquisas feitas na Europa mostram o público ligando espontaneamente Brasil e queimada, Brasil e degradação do meio ambiente.

A narrativa do governo inimigo do meio ambiente tem a mesma pegada da narrativa do governo que promove fake news e ataques virtuais contra seus inimigos. Bastaria uma pesquisa mixuruca no Google para constatar que esta prática não começou agora e vem de longe.

Em 2010, por exemplo, o então secretário de Mobilização do PT André Vargas anunciou que 500 mil militantes atuariam na internet para “desconstruir” adversários. Desconstruir significa atacar reputações, destruí-las se possível, plantar notícias falsas ou meias verdades e fazer ataques altamente agressivos especialmente nas redes sociais contra alguém ou um grupo específico.

Em novembro de 2014 a Revista IstoÉ publicou reportagem sobre as guerrilhas virtuais do PT, ilustrada com uma foto do ex-ministro Franklin Martins, na qual registra que a estrutura da militância virtual paga para atuar na campanha eleitoral seria mantida, inclusive com remuneração. Sua missão: enaltecer ações do governo, neutralizar críticas e atacar adversários.

O PT tinha um orçamento de pelo menos R$ 200 mil mensais para pagar 1.000 militantes. Boa parte dos contratados trabalhava postando comentários em redes sociais atacando blogueiros, jornalistas ou qualquer um que falasse mal do governo Dilma ou do PT. Certamente mediram a relação custo-benefício de um orçamento de R$ 2,4 milhões por ano para manter adversários e desafetos sob ataque constante.

Igual ao fogaréu da era Lula-Marina, ninguém enxergou uma versão petista do gabinete do ódio nesta guerrilha que uniu o Planalto e a Fundação Lula no projeto batizado de Brasil da Mudança. Se depois da campanha o partido bancou estes mercenários, provavelmente usou verbas do fundo partidário. Ou seja: dinheiro público. E não faria sentido que a coordenação desta tropa de ataque virtual fosse feita por alguém de fora do governo, que também era pago com dinheiro do contribuinte.

Não sou a favor de militância do ódio, seja ela de que lado estiver. Mas é muita hipocrisia achar que estas coisas, assim como o fogaréu que hipnotiza ONGS e ativistas europeus, começaram depois que Bolsonaro foi eleito. A questão, como ensinou Halliday, é a utilidade e a eficiência e neste quesito o atual governo está abaixo da crítica pela incapacidade de ação e reação.

Felizmente temos este Poder360, que teima em investigar e não briga com a realidade.

Aqui continua valendo a máxima do mestre Cláudio Abramo: “Jornalismo é o exercício diário da inteligência e a prática cotidiana do caráter”.

Marcelo Tognozzi

Marcelo Tognozzi 450x450 1

Marcelo Tognozzi é jornalista e consultor independente há 20 anos. Fez MBA em gerenciamento de campanha políticas na Graduate School Of Political Management – The George Washington University e pós-graduação em Inteligência Econômica na Universidad de Comillas, em Madrid. Escreve semanalmente para o Poder360, sempre aos sábados.

Gostou? Compartilhe esta notícia!

Facebook
WhatsApp