Cacoal/RO, 18 de abril de 2024 – 13:35
Search
Search
18 de abril de 2024 – 13:35

Antônio Luis de Macedo – Por Paulo Cordeiro Saldanha

O escritor Paulo Cordeiro Saldanha tem 11 livros publicados

Sua ação profissional passa por Manicoré, –onde nasceu em 21 de junho de 1913– Porto Velho, Guajará-Mirim e Nova Mamoré.

Seus pais Hildebrando Coelho de Macedo e Roberta Tertuliana de Macedo fizeram-no estudar até onde era permitido ali em Manicoré, que só tinha o curso primário, mesmo assim, a escolaridade recebida deu-lhe boa base para vencer os desafios que a vida lhe reservaria.

Foi, ainda bem moço, gerente do seringal de Zacarias Lindoso, pai de Coriolando Lindoso, político famoso naquele município no seringal denominado “Vencedor” de propriedade daquela família, quando comandou cerca de cem seringueiros, muito mais velhos que ele. Os Lindoso presentearam o Amazonas com José Bernardino Lindoso, que, além de Senador, foi Governador daquele Estado entre 1979 e 1982.

Como na juventude fora namorador, em Manicoré, teve outros filhos: Cecília Policarpo Pimenta e Sebastião Pimenta.

Casando-se com Maria das Dores Botelho, nasceram em Manicoré, dessa união, Antonio Luis de Macedo Filho (o nosso Macedinho) e Maria das Dores Botelho de Macedo. Porém, o infausto aconteceu: a esposa, que costumava embalar-se na rede de forma não recomendada, acabou caindo de forma violenta, quebrou a bacia, provocando com o aborto, a sua própria morte, deixando o Antônio Luis, desnorteado e triste.

O casal de filhos ficou com os Avós e caminhou em direção ao Município de Porto Velho. Fez um curso intensivo de Enfermagem, com professores enviados do Rio de Janeiro e que atuavam no Ana Nery, Nosocômio reformador do então Distrito Federal e tornou-se funcionário público, ainda servindo no antigo Hospital São José, naquela cidade que, depois, viria a ser a capital do Território do Guaporé. Reequilibrou-se emocionalmente e, transferido para Guajará-Mirim, aportou em 1946 passando a socorrer doentes e necessitados, com altruísmo e abnegação.

Já viúvo, portando, conhecendo uma mulher bonita e prendada, dela se enamorou e se casou com Ivone Passos, com a qual teve quatro filhos: Arnaldo Passos de Macedo, João Passos de Macedo, Maria Emilia Passos de Macedo (esta afilhada de meus pais) e Ivan Passos de Macedo.

Sempre muito solicitado granjeara enorme prestigio profissional, mesmo porque além de promover a cura, fazia partos, sem que nenhuma perda de vida ocorresse.

A criação do Projeto Sidney Girão, implantado no então distrito de Vila Nova, trouxe-lhe o convite do capitão Silvio, administrador do Projeto, para que Macedo chefiasse o setor de saúde, onde se destacou pela competência, generosidade e profissionalismo, no atendimento aos produtores rurais, merecendo por sua dedicação o carinho e admiração daquela população. Só naquele projeto ele fez 1017 partos, sem que nenhum natimorto, nem de longe, pudesse manchar-lhe o “curriculum vitae”.

Como esportista ajudou a fundar o Guajará Esporte Clube, sendo durante anos um dos seus principais dirigentes e técnico vencedor, comandando atletas do naipe de um Simão Salim, João Pomba, Flavinho Dutra, Sabão, Pirry, Ivaí, Ivan, Olavo, Zé Boliviano, Xapuri, Faz Tudo, Daniel Peres, Denis Carrate, Pacula, este escriba, Candoca, Pires, Adamor, Renato, Ari, Diniz, Neguinho Pelé, Carraspana, etc, etc.

A sua respeitabilidade ultrapassava a fronteira e muitas famílias bolivianas vinham até ele para se consultar e obter a desejada cura. Nem por isso a vaidade e a arrogância o atingiram. A humildade era um dos traços fortes da sua íntegra personalidade, razão do tamanho das saudades que, em 6-09-1984, data da sua partida, deixou no núcleo familiar e em toda a sociedade.

O meu querido Padrinho Antônio Luis de Macedo era apaixonado pelo futebol. Logo após transferir-se para Vila Nova, criou o departamento autônomo de futebol, filiando vários clubes e organizando o campeonato de futebol naquele Distrito. Como forma de agradecimento a Macedo, pelo seu trabalho tanto na área de saúde como no esporte, o prefeito José Brasileiro denominou a unidade mista de Saúde “ANTONIO LUIS DE MACEDO”, homenageando aquele benemérito, por sua invulgar capacidade de se doar aos seus semelhantes.

Aqui em Guajará-Mirim mereceu tornar-se nome de rua, importante artéria, à altura da gratidão que todos lhe devotamos, permeada pela admiração que nutrimos por quem foi gigante no tamanho e enorme na folha de serviço prestada a toda uma região.

Ao nos deixar já estava casado com Nair, a veneranda Mãe do Salomão, competente Oficial de Justiça do Fórum Nelson Hungria.

Como em Filipenses 4:5a “Seja a vossa bondade conhecida de todos os homens”, a magnanimidade de Macedo a todos encantava, porque ela fluía de forma espontânea e cativante. Seu sorriso fácil, sempre complementado com devotada atenção a quem o procurava era o bálsamo que acalmava eventual mal que a alguém atingia.

Viveu e lutou para fazer o bem! Cristo deve ter se inspirado em Macedo para definir como virtude a bondade que se espraiava a partir do seu coração.

Antônio Luís de Macedo – morreu o homem, ficou o seu exemplo como legado em que pontificam como referências maiores a sua dedicação extremada à profissão, ao esporte e aos homens, mulheres e crianças de toda uma região que ajudou a construir, edificando mensagens de altruísmo, generosidade e amor ao próximo e aos cidadãos de boa vontade.

Gostou? Compartilhe esta notícia!

Facebook
WhatsApp