Rondônia, 17 de julho de 2024 – 18:12
Search
Anuncie aqui
Search
17 de julho de 2024 – 18:12

Dia Mundial da Conscientização do Autismo – 02 de abril

Anuncie aqui

O mês inteiro de abril é dedicado a atividades voltadas a conscientização

  • O autismo é um transtorno do neurodesenvolvimento, é uma condição e não uma doença. 
  • A estimativa mundial é de 1 criança com autismo para cada 54 nascidas.
  • Não existe 1 autismo, e sim vários subtipos, tão abrangente que utilizamos o termo espectro.
  • A nomenclatura correta é Transtorno do Espectro do Autismo – TEA.
  • Quanto mais precoce o diagnóstico e início das intervenções, maiores as chances de evolução. 
  • O diagnóstico pode ser feito já no primeiro ano de vida.
  • Não existe cada criança tem seu tempo. Existem os marcos do desenvolvimento. Se a criança não alcançou, é necessário buscar ajuda especializada.
  • Existe uma abordagem de tratamento, já comprovada pela ciência, eficaz para o tratamento do autismo. Terapia comportamental especializada para autismo chamada Applied Behavior Analysis – ABA 
  • Terapias convencionais não são eficazes para autismo. 
  • Inclusão escolar não colocar para dentro da escola. Inclusão é garantir o aprendizado, e condições de igualdade aos demais. Igualdade não é tratar igual, é dar o suporte necessário para que se chegue ao objetivo.
  • Não são todos gênios. Todos tem dificuldades e habilidades variadas, assim como qualquer ser humano.
  • Alguns serão independentes, outros necessitarão de algum nível de suporte.

ARTIGO DE KARINA ANDRADE

Karina
Karina Andrade

“Essa montanha que você carrega nas costas, você só deveria escalar”, outro dia li essa frase e refleti sobre ela.Eu queria escalar a montanha, eu deveria apenas escalar. Mas com tantos obstáculos, torna-se impossível.

Conseguir o diagnóstico continua sendo uma luta, seja pela falta de atualização dos especialistas ou pela falta deles nas cidades.

Com o diagnóstico em mãos, enfrentamos a escassez de profissionais devidamente qualificados para atuar com abordagens comprovadas pela ciência.Quando há o profissional, esbarra-se na condição financeira ou no número limitado de sessões impostas pelo serviço público e planos de saúde.

Inclusão escolar?

Já é sabido que a inclusão só é possível através do saber especializado, técnico.

E quais escolas estão (realmente) dispostas a qualificar suas equipes escolares em nome da inclusão? Quais estão dispostas a investir um pouco nisso?

Quais professores estão de fato interessados em inclusão? Quais tem a humildade de reconhecer que não estão preparados? Quais estão abertos às mudanças.

Inclusão de verdade não é fácil. Não é só colocar dentro da escola. Não é deixar a atividade mais fácil. Não é montar um PEI por obrigação, por pressão dos pais. Não é só mandar para sala de AEE uma vez na semana.

É avaliar através de protocolos, é ter dados concretos sobre o aluno, é ter objetivo, criar estratégias, materiais estruturados, é interesse, é compromisso com o aprendizado da criança, e o mais importante, é fazer com que o aluno aprenda.

Vou contar algo particular, meus filhos não conseguem acompanhar o ensino remoto, assim como a maioria dos alunos no TEA, por isso contamos com a ajuda de uma auxiliar pedagógica, e agorade uma psicopedagoga, especialista em autismo, para prestar assistência na adaptação dos conteúdos. Ou seja, há um esforço enorme acontecendo, financeiro e emocional, para que eles tenham, pelo menos, a chance de aprender.

Mas infelizmente, nem todos os alunos têm essa oportunidade.

Sinto que para algumas pessoas (peças importantes do processo de inclusão), tanto faz…Não há interesse em fazer diferente.

E é esse o peso que carregamos e que arrebenta conosco, que cansa, que desmotiva… O peso da desinformação, do desinteresse, da falta de empatia e responsabilidade.

Karina Andrade

Gostou? Compartilhe esta notícia!

Facebook
WhatsApp