Cacoal/RO, 18 de abril de 2024 – 12:30
Search
Search
18 de abril de 2024 – 12:30

Coluna do Xavier – CACOAL:  AS ELEIÇÕES, OS ELEITOS E OS CIENTISTAS…

Por Francisco Xavier Gomes

 

CACOAL:  AS ELEIÇÕES, OS ELEITOS E OS CIENTISTAS…

 O mês de março marca uma fase muito importante do Calendário Eleitoral, definido pela Justiça Eleitoral do Brasil. No dia 7 do mês em curso, iniciou o prazo de 30 dias, conhecido como “Janela Partidária”, o período em que os vereadores podem trocar de partidos, sem a preocupação de perder o mandato. Obviamente que, nesse período, o mundo político municipal fica bem agitado, porque as demais pessoas que pretendem disputar as eleições também se movimentam intensamente, em busca de uma filiação que ofereça melhores condições para entrar na disputa e alcançar o objetivo, que é uma das cadeiras do legislativo mirim. Neste momento, surge outro grupo de pessoas, muito curioso: os cientistas políticos de botecos, padarias e frutarias, que sabem tudo sobre política, mas que nunca influenciaram nenhuma eleição na cidade, nem mesmo eleições para presidente de associação de bairro. Por essas razões, o quarto grupo, constituído por todos os eleitores do município, precisa ficar bem atento, para não ser engolido pelas excessivas histórias de mentirosos, muito comuns em anos eleitorais…

A Janela Partidária não foi criada pela Justiça Eleitoral, e isto é necessário esclarecer, para que a sociedade entenda os fatos com clareza. Essa artimanha foi criada no ano de 2015, pelo Congresso Nacional, constituído por muitos políticos oportunistas e com a finalidade de proteger deputados federais, estaduais e vereadores igualmente oportunistas, aqueles que são eleitos por uma sigla, passam quatro anos no mandato e não conseguem sequer organizar seus partidos. Por esta razão, a cada quatro anos, precisam mudar de sigla, não para beneficiar os eleitores; mas para beneficiar seu próprio umbigo. No caso de Nossa Urbe Obediana, muitos vereadores eleitos em 2020 passaram os últimos três anos mentindo que trouxeram milhões de reais para o município, mas nunca reuniram os filiados de seus partidos para conversar sobre a organização partidária. Esse é o motivo pelo qual ficaram isolados nos partidos, não criaram novas lideranças nas siglas e agora precisam mudar, para tentar ficar mais quatro anos no mandato.

É nesse jogo de tantos interesses, às vezes escusos, que surgem os cientistas políticos de botecos, padarias e frutarias. Segundo esses pseudocientistas, eles é que sabem quem será eleito/eleita, quantos votos terá cada candidato/candidata, quem será o vereador ou vereadora mais votada, qual será o quociente eleitoral, qual a sigla ideal para vencer as eleições… O curioso nessa história, é que surgem alguns “cientistas” que sabem o número de votos de todos os demais candidatos, mas que já disputaram as eleições, mais de uma vez, e nunca conseguiram ser eleitos. Isso porque sabem tudo de bastidores. Esta semana, surgiu um novo grupo de cientistas: aqueles que afirmam que o prefeito atual “vai eleger nove vereadores”. E existem pessoas que acreditam nisso! Então, precisamos refletir sobre dois fatos concretos: o primeiro é que, em dezembro de 2022, o atual prefeito se juntou aos dois deputados da cidade; usou a máquina pública; organizou um exército de aliados; distribuiu cargos; fez de tudo… E não conseguiu eleger o presidente da Câmara Municipal, perdendo a disputa para o vereador Corazinho. O segundo fato refere-se a essa história de eleger “nove vereadores” …

Se a Câmara de Cacoal tem 12 cadeiras e o prefeito vai “eleger” nove vereadores, isto significa que são homens, porque nenhuma mulher é citada por eles. Então, as mulheres que eles estão buscando serão apenas escadinha para garantir o percentual de vagas femininas? A questão é que a atual administração possui claros compromissos eleitorais com alguns vereadores que serviram de capachos da administração até hoje, mas que jamais se preocuparam com a falta de profissionais no Centro de Autista; com a falta de servidores nas unidades de saúde municipais; com a situação das escolas municipais; com a falta de merendeiras e professores nessas escolas… Isto os cientistas de botecos, padarias e frutarias nunca discutiram. Resta saber se o eleitor comum, aquele que realmente elege os candidatos, está disposto a dar nova oportunidade aos vereadores que nada produziram, mas que querem ser protegidos por grupos políticos e econômicos para continuar no cargo. Resta saber quantas mulheres de Cacoal estão dispostas a serem escadinhas nesses grupos que preparam listas para proteger os atuais vereadores e usar as mulheres apenas para cumprir os dispositivos da legislação eleitoral…

O eleitor e a eleitora obedianos precisam ficar atentos, acompanhar melhor esses debates, analisar os fatos sem paixão e decidir o que desejam para a cidade. A ausência de mulheres no Poder Legislativo de Cacoal não pode ser analisada como algo natural. Se o legislativo cacoalense tivesse forte presença feminina, muitas dessas brigas, confusões e barracos dos últimos três anos poderiam não ter acontecido. Ou talvez tivessem ocupado menos espaço na discussão política do município. Ao indicar que somente homens serão eleitos, os pseudocientistas sugerem que aprovam todas as lambanças protagonizadas pelos atuais vereadores. Ao sugerir uma composição masculina no legislativo, nossos cientistas de botecos, padarias e frutarias revelam o desprezo pela presença de mulheres nos espaços de poder. Cacoal tem, atualmente, 67.847 pessoas que possuem título eleitoral, sendo que a maioria é de mulheres. Este número ainda pode aumentar, porque as pessoas que não possuem título podem fazê-lo até o dia 8 de maio. Quem precisa regularizar o documento tem o mesmo prazo.

Finalmente, cabe esclarecer que o quociente eleitoral não é definido em conversas de ponta de esquina. Quociente eleitoral é o número utilizado pela legislação eleitoral para a distribuição de cadeiras e somente pode ser estabelecido após a apuração dos votos. Não existe nenhuma mágica, é apenas matemática básica!! Quanto às pessoas que serão eleitas, homens ou mulheres, isto não depende do desejo eleitoral ou umbilical de nenhum grupo ou cientista, depende da decisão das pessoas que vão às urnas e fazem suas escolhas. Nas eleições de 2020, apenas dois ou três vereadores foram eleitos pelo quociente eleitoral em Cacoal, prova clara de que isto não é o fator determinante nas eleições. Mas o delírio dos pseudocientistas é componente de qualquer eleição e ajuda aumentar o humor de eleitoras e eleitores já tão judiados pelos resultados das urnas… Tenho dito!!!

 

FRANCISCO XAVIER GOMES

Professor da Rede Estadual e Jornalista

Gostou? Compartilhe esta notícia!

Facebook
WhatsApp