Rondônia, 22 de julho de 2024 – 07:56
Search
Anuncie aqui
Search
22 de julho de 2024 – 07:56

Coluna Boca Maldita – MELANCOLIA E DISCÓRDIA NA CÂMARA

Anuncie aqui

ENTÃO É NATAL

Após quase dois anos de muitas indecisões sobre a segurança, quanto à saúde e sem saber ao certo quem seria a próxima vítima da terrível pandemia que assolou o mundo, chegamos ao fim de mais um ano. Foram muitas perdas e muitas dores irreparáveis. Infelizmente milhares de brasileiros, entre eles muitos rondonienses foram vitimados pela covid-19. Ainda não temos certeza do que nos espera no próximo ano, mas, até hoje, estamos sobrevivendo. Não dá para negar que a vacina contra a doença evitou muitos óbitos, porém precisamos seguir a vida e torcer para que novas formas de combater ou controlar a doença sejam descobertas pelos cientistas. Assim, a coluna Boca Maldita deseja a todos os rondonienses, um Natal de muita saúde, de paz e harmonia familiar. Que nossa cidade seja coberta pelas bênçãos do Criador e que tenhamos um novo ano de prósperas realizações. Um Natal de luz para todos os nossos leitores e colaboradores!! Então é Natal!!!

MELANCOLIA E DISCÓRDIA NA CÂMARA

Embora o fim de ano seja celebrado por todas as pessoas e o desejo de paz e harmonia seja unanimidade entre todas as pessoas, não podemos afirmar que os vereadores de Cacoal terão um Natal tão harmonioso como é pregado por eles nas redes sociais. O clima de guerra foi instalado na Casa de Leis, nos últimos dias de dezembro. Dois ou três vereadores são acusados pelos colegas de supostos assédios a servidoras públicas e o caso ganhou grande repercussão na imprensa de Cacoal e diversos jornais eletrônicos do estado de Rondônia. Como ainda haverá um longo período, antes da volta dos vereadores ao trabalho, certamente existe a possibilidade de conciliação entre eles, porque a sociedade cacoalense espera dos edis propostas concretas para melhorar a vida da população. Entretanto, mesmo que haja a pacificação entre os vereadores, é possível que eles comecem o novo ano tendo que dar explicações à sociedade sobre os problemas abordados por eles mesmos em muitas redes sociais. A situação é de intensa saia justa, porque praticamente todos os vereadores são casados e possuem como hábito pregar valores morais e religiosos durante o decorrer de todas as sessões. Como a Câmara de Cacoal produziu pouco, em termos de matérias de autoria dos vereadores, o novo ano não deverá ser muito fácil para eles. Desejamos sucesso!!

PASSANDO A BOLA

Falando em ações dos vereadores, em uma das últimas sessões ordinárias do ano de 2021, o vereador Luís Fritz fez um longo discurso afirmando que o Ministério Público precisa iniciar uma investigação para apurar possíveis infrações administrativas dos engenheiros que elaboraram alguns projetos de obras que deveriam ser executadas em Cacoal. Algumas dessas obras estão paralisadas até hoje e não se tem notícia de quando serão retomadas, como é o caso da construção das casinhas do Residencial Vale Verde, do Hospital Municipal e da Avenida Uirapuru. A sensação que fica é a de que os vereadores precisam estudar um pouco sobre suas atribuições. O Ministério Público é um dos órgãos de investigação e pode adotar, sim, alguma medida, mas a principal obrigação, nestes casos, é dos vereadores. Desde o início deste ano, essas obras estão paralisadas e, até hoje, não se tem notícia de nenhum documento elaborado pelos vereadores sobre os fatos. Os vereadores têm o dever de denunciar situações como esta, mas não basta esbravejar na tribuna; é preciso ter ações concretas, denúncias, documentos. Isto sem falar que é atribuição dos vereadores abrir comissões para apurar fatos dessa natureza. Em 2021, a maioria dos vereadores dedicou o tempo a rasgar elogios ao prefeito e a todas as demais autoridades, sem nenhuma preocupação de investigar os problemas da cidade.

CORTINA DE FUMAÇA

No mesmo tom do colega de mandato, o vereador Paulinho do Cinema fez duras críticas pela situação calamitosa do Hospital Regional de Cacoal e do HEURO, unidades estaduais de saúde. Porém ele não citou os muitos meses que a UPA do município está sem funcionar, não cobrou do Poder Executivo o reinício das obras do Hospital Municipal e a aquisição de novos  equipamentos para as unidades básicas de saúde do município. Além disso, durante toda a campanha, o prefeito Adailton Fúria prometeu que criaria em Cacoal o sistema chamado de “Corujão do SUS”, prometendo que a população seria atendida em todos os tipos de exames 24 horas por dia. Tudo ficou na promessa! As constantes críticas dos vereadores aos hospitais estaduais e ao Secretário de Estado da Saúde são válidas, mas o principal objetivo dessas críticas é colocar uma peneira para tapar toda a ausência de medidas do executivo municipal para atender os caccoalenses, colocando uma nuvem de fumaça na falta de ações do prefeito Adailton Fúria. Caso as unidades de saúde do município estivessem funcionando como deveriam, o fluxo de pessoas no HEURO seria muito menor e provavelmente os vereadores nem se lembrariam de criticar somente as autoridades estaduais.

DENTISTA EM DIVINÓPOLIS

Uma dica importante para os vereadores é cobrar da administração municipal a volta dos serviços odontológicos no distrito de Divinópolis. Faz muito tempo que esse tipo de atendimento foi precarizado no distrito. Segundo os moradores, havia um profissional que comparecia frequentemente ao local para atender a população, mas nos últimos meses, o atendimento aconteceu somente uma única vez, o que é insuficiente para atender às demandas. Na realidade, a presença dos vereadores nos distritos tem sido rara, com exceção do Riozinho, onde mora o vereador Ezequiel Câmara, que recebe com frequência a visita de um ou outro colega. Na legislatura anterior, pelo menos em duas ocasiões, os vereadores realizaram sessões em Divinópolis, ainda que estas sessões não tenham se traduzido em ações concretas. Mas os novos vereadores prometeram fazer diferente dos antecessores, fato que ainda não aconteceu. Talvez no próximo ano, depois das merecidas férias que irão até fevereiro, a Câmara de Cacoal consiga agendar uma visita ou até mesmo uma sessão ordinária a Divinópolis para ouvir as reivindicações da população. No caso das visitas do dentista, elas podem acontecer mesmo em período chuvoso, basta boa vontade da administração.

PANDEMIA E FIM DE ANO

A população de Rondônia tem agido como se a pandemia da Covid-19 tivesse acabado, mas as coisas não são bem assim. Em Cacoal, os casos positivos de diagnósticos da doença seguem em ritmo acelerado na Capital do Café e a média de casos tem ficado na casa de 25 diários. Estes números mostram claramente que ainda é preciso ter muito cuidado com a situação, principalmente nas inevitáveis festas de fim de ano, quando muitos familiares chegam ao município para visitar suas famílias. Logicamente que é importante estreitar ligações familiares e comemorar a chegada do Natal e do Ano Novo, mas não podemos abrir mão dos cuidados devidos. O uso de máscara ainda é uma forma concreta de prevenção e há muitas pessoas que precisam procurar os pontos de vacinação para tomar a vacina. Existem em Cacoal muitas pessoas que ainda não tomaram a segunda dose da vacina ou até mesmo a primeira. Isto pode ser um problema a mais. Além disso, a secretaria municipal de saúde tem divulgado diariamente a informação sobre a terceira dose do imunizante que já pode ser aplicada em pessoas que tomaram a segunda dose quatro meses atrás. O prazo inicial era de seis meses, mas foi encurtado justamente para garantir maior proteção à população.

COMPLEXO DA POLICIA CIVIL

Logo nos primeiros meses de mandato, a deputada federal Jaqueline Cassol anunciou a construção de uma obra importante no município de Cacoal, que teria como finalidade abrigar as instalações da Polícia Civil e vários órgãos da Secretaria de Segurança. Na ocasião, ela gravou vídeos ao lado dos delegados que seriam responsáveis pelo projeto e afirmou que os recursos estavam garantidos. Até hoje, porém, a obra não foi iniciada e não há informações sobre quando começará a ser construída. A deputada, que pertence à chamada base aliada do governo Bolsonaro, anunciou, na época, que 10 milhões de reais seriam colocados à disposição para o início do Complexo da Polícia Civil. Não sabemos se os recursos já foram disponibilizados e nem o que ainda falta para começar a obra, mas seria interessante a deputada Jaqueline Cassol se manifestar e dizer como está a situação. Além de atender as necessidades da Polícia Civil e melhorar o atendimento à população, não se pode negar que esta obra seria muito importante para garantir a geração de empregos em Cacoal e região, melhorando a vida de muitos trabalhadores que perderam o emprego em função da grave crise que a pandemia causou no Brasil. O estado de Rondônia não é exceção entre os estados atingidos. Lembramos que o projeto do Complexo da Polícia Civil ainda não teve início, mas o fim da Vila Olímpica, com esse projeto, teve início. Afinal, o terreno para esse projeto da Polícia Civil, foi desmembrado do terreno da Vila Olímpica, e dessa Vila Olípica, por coincidência, de lá prá cá, não se houve mais falar dela.

ADVOGADO AGRIDE PROFESSORA

Os professores do município de Ariquemes estão muito revoltados com um advogado que compareceu a uma escola da cidade e agrediu duramente uma professora com xingamentos de todos os gêneros. O advogado Welerson Cleito Figueira teria ficado chateado porque seu filho não conseguiu aprovação na escola e colocou a culpa na professora. Segundo os colegas de trabalho, ele se recusou a ouvir as argumentações sobre a situação do filho e declarou que todos os professores são bandidos e não gostam de trabalhar. A Ordem dos Advogados de Rondônia e demais autoridades precisam apurar com rigor os fatos e punir este profissional pelas agressões. Trata de uma professora que está concluindo o tempo de serviço e se prepara para aposentadoria. Todos os professores que trabalham na escola foram agredidos pelo advogado e consideram a situação inaceitável. O Sindicato dos Professores de Rondônia (SINPROF) já anunciou que vai adotar todas as medidas cabíveis para que o caso seja apurado e que o agressor seja punido pelas graves agressões contra a professora e contra os profissionais de educação de Rondônia.

ÁGUA POTÁVEL

Já que o assunto é a educação, os profissionais de algumas escolas estaduais de Cacoal reclamam que por várias vezes, durante este ano, tiveram que comprar água mineral para beber, porque, segundo eles, a água oferecida não possui garantia de qualidade. Neste caso, para fazer justiça, não se pode colocar a culpa na SEDUC ou na Coordenação Regional de Ensino, porque esta situação depende da direção da escola. Se as escolas onde houve esse tipo de reclamação tiverem poços artesianos, é provável que a água seja de qualidade, mas é importante que a CRE de Cacoal verifique de perto a situação. Pelas informações que chegaram à redação, a escola Frei Caneca é citada por diversos servidores. A Coluna reserva à direção da escola o direito de manifestar sua posição, caso considere necessário, porque é uma oportunidade para esclarecer os fatos.

ACONTECENDO E NÃO ACONTECENDO 

O prefeito resolveu dar fim a certas imagens  que desgastava Cacoal e irritava seu povo. O prédio que sediou a Semast, que quando foi construído ainda no final da década de 70  tinha como finalidade sediar um mercado municipal, está recebendo uma bela reforma e deve ajudar o município a gastar um pouco menos com aluguel, comportando alguns órgãos do município que estão esparramados pela cidade com altos custos de locação. A sede da antiga Unidade mista foi ao chão. Não se sabe de concreto o que vai ocupar aquele terreno no centro da cidade. Mas o simples fato daquela  triste imagem desaparecer, já é uma grande conquista da cidade, uma vez que um  terreno vazio, mas limpo, é bem melhor do que aquilo que existia. O prefeito também mandou derrubar o restante da ponte sobre o Pirarara, na avenida Afonso Pena. Só que  antes desta derrubada, houve discurso e a promessa de que a ponte seria reconstruída a partir da semana seguinte. Até agora só foi derrubada e não se sabe quando a obra vai ser iniciada. Na Travessa Martin Lutero, no Bairro Liberdade, faz uns sete anos que na administração do Padre Franco Vialetto, foi demolida a Escola Infantil Ronaldo Aragão. Alunos desta escola foram parar em outras escolas e bem longe. A população da redondeza aguarda anciosa a nova escola. Enquanto isso, ali fica a imagem do abandono. Mas o jovem prefeito tem mais três anos garantidos para resolver esses e muitos outros problemas do município. Mas não demora esse tempo todo não, prefeito!!! Cacoal é linda, limpa!, não é Bonifácio?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Gostou? Compartilhe esta notícia!

Facebook
WhatsApp