Anuncie aqui
Anuncie aqui

TRIBUNA LIVRE: O Dia 8 de Março

Começo reinterpretando essa comemoração impressa aqui depois do Dia 8 de Março; data essa de reconhecimento Universal em Defesa das MULHERES.
Aqui observo e sinto que esse dia está em superação, mas ao mesmo tempo, não está superado. Por quê?
Ouvindo, conversando com pessoas, e em especial com as próprias mulheres afirmam e perguntam, assim: se conquistamos, então conquistamos. Então, porque a comemoração em lembrança ao dia
Por outro lado, é fato, afirmam que as conquistas ainda não significam as conquistas de: direitos iguais, liberdade, e outros necessário ao exercício da vida feminina.
O que fica claro é que, toda a diversidade de ação e reflexão da atuação e defesa do universo feminino, precisa continuar persistindo, insistindo e não se dobrando ao domínio cultural dos homens.
Mas tem aqui, uma terceira leitura, visão e ou percepção. Qual é? Deverão ser as mulheres a dizer. O que querem e porque querem. Isso significa dizer que não estão completas e satisfeitas.
Olhando mais profundamente iremos entender, que muito mais tem por e para conquistar e ressignificar as lutas e defesas em âmbito local, estadual, nacional e internacional. E mais, a luta e defesa deve ser protagonizada precipuamente por elas de maneira institucional.

O universo delas de conquistas dinamiza-se inesgotavelmente. – Somos sabedores, que o primeiro passo é: 1º Reconhecer e aceitar que a mulher é mulher; 2º Que elas precisam do espaço-Direito a ter direitos para o exercício desse Direito; 3º Que são capazes e querem oportunidades para exercê-los; 4º As diferenças pautam essas relações e 5º Elas precisam continuar sonhando e tentando implantar um modelo diferente e pacifico, que esteja pautado na convivência possível de respeito entre os sexos.
Bom acredito que se fossemos continuar chegaríamos até o décimo, isto é, a um decálogo. Todavia, aqui estamos só reconhecendo alguns passos fundamentais para o exercício da concretização genuína do significado desse Dia Universal de Comemoração a elas e delas.
Mas lamentavelmente, preciso opinar, externar que: As mulheres foram vítimas e continuam sendo; Muitas vezes não conseguem se defender, salvo quando acionam, ou procuram as instituições que as defendem; no entanto, ao mesmo tempo, enxergamos sinais e luzes ao final do túnel.
Percebemos instituições governamentais e civis, assumindo esse movimento de sensibilidade, defesa e defesa cotidiana do viver, expressar das mulheres nos diversos espaços sociais.

Por Joel Domingos Pereira, Professor de Filosofia da Rede Estadual de Educação, lotado na EMTI Josino Brito.

Gostou? Compartilhe esta notícia!

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp